4 características fundamentais de um advogado empreendedor

ProJuris Dia a Dia, Empreendedorismo, Finanças 2 Comments

Este artigo pode ser lido em [est_time]. Que tal tirar um tempinho?

Empreender. Palavra que desafia e ao mesmo tempo encanta milhares de advogados brasileiros. O cenário? Competitivo e instigante. O Brasil é um dos países com maior número de advogados por habitantes: um defensor para cada 252 pessoas.

Apesar da situação econômica do país, é fato que hoje o empreendedor dispõe de mais ferramentas para abrir o seu negócioUma destas ferramentas, talvez a que oferece mais possibilidades, é a internet, que ajuda o advogado de várias formas, seja oferecendo mais espaços onde ele possa adquirir conhecimento ou facilitando processos do dia-a-dia advocatício, com os sites dos tribunais ou com um software jurídico.

Para ser um empreendedor, no entanto, não basta apenas dominar conteúdos referentes ao universo jurídico. É necessário, sobretudo, entender as características do mercado e entender que há, dentro do escritório, outras áreas fundamentais para a saúde do escritório (financeiro, marketing, RH etc). Por isso, listamos 4 características fundamentais que você, advogado que quer se tornar um empreendedor ou que já é um, precisa ter:

 

1. Pense estrategicamente

 

É fundamental que seu negócio seja conduzido de maneira estratégica. Ou seja: de maneira a levar em consideração os fatores externos do negócio (concorrência, captação de novos clientes, situação econômica do país). Dar importância a estes elementos é traçar planos mais assertivos para alcançar os objetivos da sua empresa. Objetivos estes que também se tornam mais atingíveis se estiverem alinhados à realidade do mercado e, principalmente, se condizerem com uma projeção de crescimento cabível para seus negócios dados os recursos disponíveis e pretendidos. Estratégia é antecipar, prever e criar respostas ao que está para vir, procurando sempre criar novos cenários, positivos à empresa.

Além de advogado, você também deve entender seu papel como gestor. Não pensar somente em como caminham os processos do seu escritório, mas em toda a estrutura do negócio, em todo o seu ecossistema. 1. Nos colaboradores, os quais você precisa compreender, delegar funções e mensurar o desempenho; 2. na situação financeira da empresa e nas escolhas que a impactem diretamente (precificação dos honorários e sua cobrança, por exemplo); 3. na mensuração dos resultados e como você pode melhorar suas ações para que a curva de crescimento de sua empresa seja ainda mais íngreme (aqui vale mencionar mais uma vez o software jurídico, que possui grande variedade de relatórios que podem ajudar o empreendedor a ter esta visão panorâmica do negócio) etc.

 

estrategia

 

2. Seja um líder e não apenas um chefe

 

Não por acaso, sua empresa é formada por pessoas. É a união de várias competências e perfis que compõe os escritórios de maior prestígio no país. Ter uma equipe multidisciplinar é se diferenciar diante do mercado. Diferentes experiências profissionais e, principalmente, diferentes olhares dos seus colaboradores podem enriquecer o negócio.

Perceber estas questões não é a tarefa de um chefe, mas de um líder. É o líder que consegue canalizar todas estas habilidades e culturas de um modo producente ao escritório. Mais que isso:

  • O líder é uma referência dentro da empresa. Os valores da empresa são, consequentemente, reflexos dos valores direcionados pelo líder (mesmo que estes valores sejam receptivos e mutáveis conforme o dia-a-dia da equipe). Em outras palavras, a empresa é o espelho do líder, e tudo o que ela representa também: se o líder é motivado, provavelmente seu escritório também será, se o líder é organizado, é provável que as pessoas também sintam que devem agir desta forma. E tudo isto vale para outros valores: responsável, honesto, justo, compreensível, gentil;
  • Se você já admitiu que sim, que sua equipe é formada por pessoas de perfis diferentes, é importante pensar como você lida com isso, já que este cenário pode se tornar extremamente saudável ao seu escritório. Conversas com o objetivo de trocar conhecimento podem ser estimuladas, por exemplo. Capacitar seus colaboradores também é uma atitude importante, onde você poderá fortalecer uma competência deficiente ou potencializar e especializar cada vez mais algum membro de sua equipe.

Prezar pelas pessoas dentro do seu escritório é prezar por tudo o que o escritório significa. Afinal, valorizar as pessoas deve ser o verdadeiro negócio da empresa. O resto é consequência disso. Relacionar-se bem com sua equipe, conhecer sua cultura, suas habilidades, fraquezas e pontos fortes e, mais que isso, inspirá-los são atributos que resultam em um verdadeiro líder. Agora… Se você prefere ser um chefe, basta deixar claro o tempo todo a seus colaboradores a hierarquia da empresa e o quanto eles tem de obedecê-las. Por qual dos dois perfis você gostaria de ser reconhecido?

LEIA TAMBÉM  Um software jurídico substitui um estagiário?

 

liderança

 

3. Aprenda todo dia

 

“Eu não sei de tudo, não domino todo o conhecimento, por isso preciso aprender diariamente”. Admitir isso é uma atitude nobre. E necessária. Afinal, o mercado muda todo dia, a cada nova tecnologia, a cada novo projeto de lei, a cada tendência. Estudar torna-se, portanto, um ato infinito. E até mesmo algo intrínseco à posição de líder. Se você concorda que preparar a sua equipe é uma tarefa importante, deve, concomitante, capacitar-se, respeitando, claro, suas horas de lazer e as horas de sono que todo ser humano adulto precisa (entre 7 e 9 por dia).

Além disso, pode contar com técnicas de estudo (com certeza você já teve contato com algumas delas durante os períodos da faculdade ou de estudo para a prova da OAB). Talvez já tenha se deparado com o estudo que determina que para aprender algo novo você precisa estudar 10.000 horas em cima disso. Você já ouviu falar nesta teoria? O escritor Josh Kaufman desmentiu este mito e garante: para aprender qualquer coisa você precisa de apenas 20 horas. Não é fantástico? Confira:

20_horas{Clique na imagem para assistir o vídeo}

Não há um formato mais recomendado para estudar. Todo tipo de conhecimento é válido. Seja um documentário, uma palestra no TED, um livro ou um artigo num fórum como o JusBrasil. O importante é você estudar. Sempre de maneira inteligente: selecionando os conteúdos através dos seus temas de interesses e temas correlacionados. A criação de um mapa mental também é indicado: primeiro você decide os dois, três, quatro tópicos que precisa estudar, depois encontra temas 1. com uma relação muito forte, 2. com uma relação mediana e por fim 3. com relação fraca. Assim você conseguirá selecionar melhor os objetos de estudo e aproveitar o seu tempo de melhor forma.

Separamos para você uma palestra bem interessante do TED. Kimberley Motley é uma advogada americana e a única advogada estrangeira atuante no Afeganistão. Ela conta como tem ajudado seus clientes no país, aplicando leis já existentes mas que não eram, até então, utilizadas. Uma verdadeira aula do compromisso do advogado com a justiça e com as pessoas.

como_eu_defendo{Clique na imagem para assistir o vídeo}

4. Tenha um plano B

 

Os números/resultados não estão tão bons quanto planejei. O que eu faço?

Ser estratégico (primeiro ponto explorado da matéria) implica em já saber a resposta desta pergunta: tenha um plano B. É importante que o advogado empreendedor crie diferentes cenários e esteja próximo do dia-a-dia do escritório para conduzir a tempo estas pequenas mudanças de percursos. Afinal, novas estratégias e novos métodos de trabalho aparecem de repente e o tempo todo. É importante que você tenha flexibilidade para dialogar com todas estas mudanças e filtrar o que é pertinente ao escritório. Vale destacar que, caso você esteja aprendendo algo novo todos os dias (terceiro tópico da matéria) fica mais fácil de enxergar todas estas novidades e convertê-las em novas estratégias (ter melhores estratégias que os concorrentes está muito associado a ser inovador e criar dinâmicas de negócio ousadas).

Se você está verdadeiramente envolvido com o seu escritório, conhece a sua equipe e os fatores externos que influenciam no seu negócio, fica mais fácil traçar um plano B. Basta parar, respirar e pensar, pensar e pensar (e posteriormente, claro, executar).

Se você está verdadeiramente envolvido com o seu escritório, fica mais fácil traçar um plano B. Basta parar, respirar e pensar, pensar e pensar (sem esquecer de executar, claro).

É comum algum plano não funcionar exatamente como o planejado. Teoria e prática são coisas diferentes. Mas quando mais envolvido você, empreendedor, estiver com o seu negócio, quanto mais conhecer os profissionais que trabalham com você, mais entender as áreas de sua empresa e como elas funcionam, mais fácil será contornar as pequenas “crises” e os obstáculos que o mercado naturalmente lança à sua frente. Empreender é estar pronto pra começar e recomeçar. Abrir um escritório de advocacia é assumir compromissos, se relacionar com pessoas e aprender muito. Todos os dias.

 

email

Comentários 2

  1. Sou estudante do 8ª período do curso de direito e gostaria muito em abrir o meu escritório, mas não sei por onde começar. Sei que já é hora de estar pensando em uma estratégia, gostaria de umas dicas para abrir o meu escritório no final do meu curso.

  2. entendo que o item principal de seu escritório é voce.Portante se prepare. Descubra qual ou quais areas tem mais afinidade.estude, pesquise.invista.E pratique.Faça estagio se puder, com alguem
    sério e competente.O escritório bonito, funcionável, o local, é importante, Mas costumo crer que não é o hábito que faz o monge, e sim, o monge que faz o hábito, pois o hábito sem o monge é só um hábito, mas o monge sem o habito, será sempre o monge e poderá usar um hábito novo, sempre.
    o belo escritório, aparência, não o ajudará quando encontrar uma questão complexa ou uma surpresa em um processo ou numa audiência.Boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *