4 formas de advogados monitorarem a concorrência pela internet

ProJuris Empreendedorismo 0 Comments

A internet veio para facilitar a vida do advogado. Muitas atividades do dia a dia jurídico hoje podem ser executadas online, como por exemplo solicitar documentos ao cliente, acompanhar os andamentos dos processos (mesmo aqueles em segredo de justiça), acessar tribunais, até mesmo captar demandas e clientes. O marketing jurídico na internet é visto com bons olhos pelo Código de Ética da profissão, se realizado de maneira ponderada. Separamos alguns materiais já publicados aqui na Universidade que podem auxiliar você a compreender melhor este assunto:

Outro benefício que a internet oferece ao advogado de escritório ou autônomo é ter uma visão holística do mercado jurídico, podendo acessar a alguns poucos cliques os conteúdos, a percepção de clientes e, por quê não, as estratégias de outros escritórios. Este exercício de observação pode resultar na criação de um diferencial competitivo ou em inspiração para novas abordagens e serviços. O que é importante frisar é que uma sociedade faz parte da dinâmica do mercado e, caso os trabalhos visem sobretudo o bem estar do cliente e a justiça, não é um pecado internalizar algumas mecânicas próprias de empresas competitivas. A tendência empreendedora dentro do direito traz esta ideia como cerne.

Neste contexto, as informações conquistadas sobre a concorrência são sempre preciosas para se diferenciar no mercado e criar uma identidade própria ao seu negócio, principalmente se tratando do mercado jurídico, que, pelas próprias limitações do Código de Ética e do marketing jurídico, é um mercado sóbrio, com pouca exposição pública. Desta forma os dados dos concorrentes são coletados em suposições e na base do ‘achômetro’. A internet, no entanto, joga luz sobre o comportamento de algumas empresas e eis algumas formas de, através de ferramentas, monitorá-las.

1 – Os sites

O ponto de partida do seu monitoramento, e também o mais simples, pode ser visitar os sites da concorrência e observar como eles comunicam seus serviços e quais são os itens que mais possuem foco à primeira vista. Coloque-se neste momento no lugar do cliente e pense se sua navegação está sendo intuitiva. Fica fácil fazer contato? O layout evidencia mais o que o escritório quer mostrar ou o que o cliente precisa saber? Isto já vai sugerir algumas formas de como você pode analisar seu próprio site. E claro, vale lembrar que se seu escritório quer ser competitivo, ter um site é obrigatório.

Vale muito observar quais são as prioridades de informação no momento de hierarquizar os elementos do site do seu concorrente, pois elas podem revelar qual é (ou quais são) seu principal core business, além do perfil do cliente.

A ferramenta SEM Rush também pode ser essencial nesta etapa do monitoramento, já que revela informações analíticas de um site, coisas como a visitação orgânica e paga deste, além do grupo principal de palavras-chaves que as pessoas utilizam para chegar até o escritório pela internet.

2- Monitoramento social

Dentro de um processo de monitoramento de concorrência na internet, esta etapa é a mais duradoura, pois é um trabalho ao mesmo tempo orgânico e automatizado, além de ser perene. Ela envolve desde visitas ao Reclame Aqui, um dos maiores sites de reclamações contra empresas, até uma pesquisa que envolve de fato a percepção social – comentários e atividade de pessoas na fanpage, no blog ou em em sites de localização, como o Google Places, que possui avaliações e comentários sobre determinado lugar. Faça agora mesmo um comparativo entre a página do seu escritório com a concorrência.

LEIA TAMBÉM  Um software jurídico substitui um estagiário?

O Hootsuite também pode ajudá-lo, gerando buscas por termos (nome do seu concorrente, por exemplo) nas principais redes sociais, possibilitando acompanhamento recorrente. Se caso seu concorrente não é muito falado nas redes sociais e na internet, saiba que este é o melhor cenário – e aí está a maior oportunidade de você largar na frente e fazer um trabalho de presença digital.

3 – Palavras-chaves

Nos dois casos acima já falamos um pouco sobre pesquisas que envolvem termos ou palavras-chaves. Isto porque é a forma mais precisa de se encontrar algo na internet, principalmente com ferramentas específicas para isso. Por exemplo: o Google Alerts, que permite a você selecionar um termo e ser avisado todas as vezes que houver novos conteúdos na internet sobre este termo. Também há a ferramenta Keyword Spy, que busca as melhores palavras-chaves para campanhas digitais e para o conteúdo do seu site, além de analisar quais são as palavras-chaves que a concorrência está utilizando.

Uma forma mais simples de monitorar a concorrência por palavras-chaves é o Google. Procure ‘escritórios de advocacia em [sua cidade]’ ou possíveis buscas que seu cliente faria, como ‘quero abrir um processo [nome da cidade]’ ou ‘consultar advogado [nome da cidade]’. Os primeiros resultados serão os mais propensos a serem clicados por possíveis clientes. Ali poderão ser encontrados:

  1. os escritórios de advocacia que investem em links patrocinados do Google, ou seja, que compram determinadas palavras-chaves e expressões para aparecerem primeiro quando estas palavras ou expressões forem pesquisadas (o Google identifica este tipo de estratégia visualmente, como nesta imagem) e;
  2. os escritórios que criam mais conteúdos para o seu blog e para o seu site com as palavras-chaves relacionadas, o que os alavancam às primeiras posições da busca orgânica, que é responsável por aproximadamente 70% de todo o tráfego dos sites. Esta estratégia, de criação de conteúdo, nos leva ao próximo item.

4 – Conteúdo

Em apenas 1 minuto, já conseguimos explicar aqui na Universidade o que é marketing de conteúdo. Mesmo assim, vale reforçar que esta estratégia pode oferecer a ótica perfeita para monitorar a concorrência através do conteúdo.

É muito comum sites de escritórios terem uma coluna ‘artigos’ ou ‘blog’ em seu site, mesmo que na maioria dos casos esta coluna esteja desatualizada e o último conteúdo foi publicado há mais de 1 ano. Embora não devesse. Pois é, como vimos no item anterior, por meio de palavras-chaves e de conteúdos que os usuários têm maior chance de chegar ao conhecimento de uma empresa. Os textos do seu site devem responder objetivamente às perguntas dos clientes, para ser facilmente encontrado no Google. Aproveitando o espaço, faça agora uma avaliação de SEO da sua página.

Preocupe-se principalmente com os concorrentes que pensam dessa forma e que são ativos digitalmente, pois crescerão e serão vistos como referência no mercado mais depressa. Para estes sites, recomendamos a ferramenta Instapaper, que arquiva os sites que você preferir e avisa de cada nova atualização publicada.

Tratando-se de conteúdo, também vale utilizar a ferramenta Buzzsumo, que demonstra quais são as principais pautas e tendenciais de tema mundiais a respeito de algum assunto. No caso de advogados, vale fazer pesquisas por lawyer, legal e outros termos em inglês.

email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *