Homem mexendo no notebook

4 dados importantes para advogados monitorarem seu site

Com qual objetivo seu negócio tem um site? Esta pergunta necessariamente precisa ser feita antes de falarmos sobre monitoramento. Se você não consegue respondê-la, daremos duas sugestões de possíveis caminhos.

Primeiro, seu site foi criado para estar onde as pessoas estão. Segundo, além de presença digital, você quer criar relacionamentos, atraindo novos clientes, divulgando seus serviços e estimulando feedbacks positivos.

Tão fundamental quanto ter um objetivo claro é conseguir mensurar os resultados. Foi pensando nisso que o Google criou a ferramenta Analytics.

Mais que uma vitrine de dados, ela pode apontar quais são os pontos fracos e fortes do seu site, e até mesmo como você pode atrair mais pessoas para visitá-lo e fazer contato com você.

Conteúdos mais acessados

É possível ver quais são as páginas mais acessadas no seu site desde o seu início, assim como personalizando o filtro de período analisado, visualizando as páginas mais acessadas no último mês, nos últimos três meses, na última semana, último ano e assim por diante.

Nesta opção, é possível conferir as visualizações que cada página obteve, além do número de visualizações únicas, ou seja, a contabilização única de todas as visitas de uma pessoa específica no período selecionado. Se ele visitou a página 30 vezes nos últimos 30 dias, será contabilizada apenas uma.

Ainda no menu ‘conteúdo do site’, é possível ver a taxa de rejeição de cada uma delas, que significa a porcentagem de vezes em que um usuário saiu do seu site depois de visitar a página em questão. Outro dado importante é o ‘tempo médio de página’, que mostra o tempo médio que usuários ficaram nas páginas do seu site.

Como melhorar com os resultados observados? 

  • Verifique os 10 conteúdos mais acessados do seu site. Sobre o que eles falam? Geralmente são esses que trazem a maioria das pessoas para o seu site. É como você quer ser encontrado? Produza mais sobre o assunto. Não é? Mude sua estratégia editorial;
  • Se há uma grande taxa de rejeição nos conteúdos do seu blog é porque talvez o usuário não veja sentido em continuar navegando no seu site após ler o texto em questão. Linkar posts relacionados ou outros conteúdos pode ajudar.

Fluxo de usuários

Um dos grandes fantasmas de um site é a taxa de rejeição, como já explicamos ali em cima. E o fluxo, funcionalidade rica e complexa do Analytics, pode ajudar a esclarecer o(s) motivo(s) deste indicador.

Ele acompanha qual caminho o usuário percorre ao entrar no seu site até a momento da saída. Isto é: assim que alguém entra no endereço, qual são seus próximos clicks antes de deixar seu site?

Esta pesquisa pode ser realizada de uma forma geral e segmentada (apenas com usuários que vieram de redes sociais, no último mês etc).

Como melhorar com os resultados observados? 

  • Sites que possuem uma única página (sem links ou outras páginas) possuem grandes taxas de rejeição, afinal não há para onde o usuário ir. Mas se o seu site possui outras páginas e tem concentração de rejeição na página inicial, é sinal de que ele não é intuitivo o suficiente para o seu cliente, ou que seu conteúdo não é condizente com o que o cliente estava procurando;
  • Uma maneira de tornar o fluxo de seu usuário mais didático é ser muito objetivo com as palavras. Por exemplo, nomear os menus como ‘áreas de atuação, quem somos e contato’.

Origem

Pelas redes sociais, pelo Google ou pelo próprio link? Como os usuários chegam até o seu site? Isso pode dizer muito a respeito dos esforços do seu marketing digital.

Alguma coisa está errada, por exemplo, se sua equipe faz muitas publicações no Facebook e LinkedIn e o Analytics aponta que as mídias sociais trazem pouquíssimo trafego ao seu site.

Além de Google, link direto (digitando www.seusite.com.br na barra de endereço) e redes sociais, a ferramenta ainda mostra quantas pessoas chegaram por meio de referências (links de outros sites que levam diretamente ao seu).

Como melhorar com os resultados observados? 

  • Como foi dito, se você investe muito tempo em Facebook e tem pouco retorno de tráfego, talvez seja a hora de você reavaliar sua estratégia social, linkando áreas do seu site em publicações contextuais ou criando campanhas no Facebook Ads.

Tecnologia

Pode-se pensar que algumas informações são irrelevantes ou de pouca importância, como é o caso do menu ‘tecnologia’. Nele são detalhados quais são os navegadores, resoluções de tela e sistemas operacionais mais utilizados pelos usuários que visitam seu site.

Como melhorar com os resultados observados? 

  • Nada é mais desagradável para um usuário do que uma experiência ruim de navegação. Ao analisar este menu, você irá perceber que as pessoas acessam seu site de diferentes navegadores e resoluções. Certifique-se de que seu site irá funcionar bem em todos eles;
  • Talvez outra surpresa será ver o número de usuários que acessam seu site via celular, o que sugere que você comece a pensar em uma versão mobile ou um layout reduzindo, mais objetivo.

Compreendendo a anatomia de um resultado do Google

Um resultado de pesquisa do Google se apresenta da seguinte forma:

Em primeiro lugar, informa-se um title. É a informação principal do resultado, de modo que em menos de um segundo o usuário compreenda do que se trata aquele link (se é uma notícia, um site corporativo, um arquivo em pdf.).

Abaixo do endereço do site, sua url (www.projuris.com.br, por exemplo), vem a meta description. Este é um campo para detalhar sua atuação com informações que não couberam no title.

Tanto title quanto meta description têm limitações quanto ao tamanho dos textos. Caso essas limitações não sejam respeitadas, seu site pode ser penalizado pelo algoritmo.

Title: entre 50 e 60 caracteres

Meta description: recomenda-se que até 300 caracteres (ainda que o Google tenha, oficialmente, desabilitado o limite de caracteres, é importante manter o bom senso, pois exceder o recomendado continua podendo prejudicar seu site nos resultados)

Mas você precisa contar esses caracteres? De modo algum: recomendamos que, caso seu website esteja hospedado no WordPress, seu escritório busque um plugin chamado “Yoast SEO” ou similar.

Assim, é possível simular imediatamente como o resultado será exibido no Google, e também se o comprimento de seu title e meta description excedem aos limites do Google.

Otimizando suas linhas de resultado no Google

Não se pode decidir em que posição aparecer, isso o Google fará por você. Mas com algumas otimizações, é possível fazer com que suas linhas de resultado não apareçam apenas em maior número, mas também apareçam para as pessoas que você quer atingir.

  • Otimizando o title de seu resultado em 3 passos
  • Destaque sua especialidade – comece pensando em como as pessoas buscariam seus serviços no Google. Por exemplo, se você é um advogado criminalista, deixe isso claro já no title.
  • Se apresente – aqui, mostre quem você é. Coloque seu nome, ou o nome de seu escritório.
  • Seja local – aproveite o title para especificar a cidade na qual você e seu escritório atendem.

Otimizando a meta description em 2 passos

Detalhe o que já foi dito – utilize a meta description para trazer um pouco mais de profundidade ao que foi colocado no title. Se o title já especifica sua especialidade, utilize este espaço para justificá-la.

Pense como o cliente – como um cliente em potencial encontraria seu escritório? Pense em palavras que ele poderia pesquisar e busque utilizá-las na meta description. Por exemplo, se você é especialista em trabalhista, pode ser que seu cliente busque por palavras como “advogado horas extras”, “advogado insalubridade”.

Dessa forma, seu escritório facilita que pessoas interessadas em serviços de sua especialidade o encontrem. Além disso, atrai um público local, que seus advogados possam atender, evitando que um cliente do Rio Grande do Sul entre em contato com seu escritório no Paraná.

Otimizando suas linhas de resultado, seu escritório atrai o cliente ideal, na localidade ideal.

Gostou do conteúdo? Leia também:

Marketing de conteúdo para advogados
Como utilizar as mídias sociais a favor do escritório

Autor: Tiago Fachini

Siga o Tiago Fachini:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *