Marketing jurídico em dia – Guia do Advogado Ninja #01

Uma boa estratégia de marketing jurídico para captar mais clientes demanda ações inteligentes, e que cabem no orçamento. Neste artigo, apresentaremos como você pode, sem conhecimento técnico e por conta própria, construir uma estratégia sólida de atração de novos negócios.

Neste conteúdo você vai encontrar:

O que é ser ninja?
Criando um site como um ninja
Se posicionando no Google como um ninja
Google Analytics para advogados ninja
Divulgando seu trabalho nas redes sociais como um ninja
Construindo um perfil social como um ninja

Este é o primeiro episódio do Guia do Advogado Ninja – uma série de artigos com foco em ajudar escritórios de advocacia a atingirem os melhores resultados com a menor perda de recursos possível.

Quer receber os próximos episódios? Inscreva-se no formulário abaixo: 

Inovação em seu e-mail

Receba nossos melhores artigos e as dicas que você precisa para tornar seu escritório mais produtivo e eficiente.




O que é ser ninja?

No século XXII, deu-se início no Japão o xogunato. Trata-se de um período da história nipônica em que o imperador se incumbiu funções meramente ilustrativas, enquanto o poder real se encontrava nas mãos dos generais.

Por 700 anos, o regime militar conduziu a nação. Uma centralização de poder que provocou a ascensão da elite guerreira japonesa, os samurais; bem como seus antagonistas, os ninjas.

À margem da sociedade e destacadas por suas habilidades de espionagem e sabotagem, os ninjas trabalhavam com discrição, na sobriedade das florestas japonesas. Por sua vez, os samurais desfilavam sobre os melhores cavalos, orgulhosos em servir e guardar a pátria e seus senhores.

Ninjas e samurais viriam a trabalhar em conjunto em diversas oportunidades. Houveram períodos em que os exércitos não saiam para o campo de batalha sem as informações que seus espiões, os ninjas, colhiam do exército inimigo.

Apesar da colaboração, seus métodos e costumes sempre se mostraram inconciliáveis, porém complementares.

Enquanto samurais ostentavam katanas de 90 centímetros, os ninjas lutavam com bastões de madeira.

Samurais lançavam flechas de seus arcos, e ninjas arremessavam estrelas metálicas.

O treinamento militar do samurai o fazia mais forte e resistente, enquanto as oito horas diária de treinamento ensinavam ao ninja a utilizar a força do golpe inimigo a seu favor.

E se os samurais trotavam sobre seus cavalos, ninjas andavam sobre a água, equilibrando os pés sobre baldes e pedaços de madeira improvisados como remos.

Ser ninja significa ser resiliente, analítico e estratégico. Saber onde se quer chegar e fazê-lo com o mínimo de recurso e o máximo de êxito.

E você, advogado(a), está pronto(a) para o treinamento?

***

Criando um site como um ninja

Um website é uma excelente ferramenta para atrair novos clientes para o seu escritório, apresentar seus valores e especificar seus serviços.

Como veremos mais adiante, ter um site também é fundamental para que clientes em potencial encontrem seu escritório de advocacia no Google. Ou seja, é a base de uma boa estratégia de marketing jurídico

Desenvolver um site simples, informativo e eficiente pode custar muito pouco, ou até mesmo nada. Aqui, vamos ensinar como montar um site gratuito e voltado à geração de novos negócios.

Conhecendo as plataformas

Aqui, vamos nos ater às mais populares, abrangentes e intuitivas, o Wix e o WordPress.

Com ambas as plataformas é possível criar um site gratuito. Claro, as versões gratuitas possuem suas limitações, e pode ser que seu escritório decida por investir algum dinheiro, para proporcionar uma experiência mais satisfatória.

Wix: essa é uma plataforma destinada especialmente para quem está começando e não é nenhum especialista em web design.

A quantidade de templates disponíveis, porém, não é muito rica. Portanto, há grandes chances de seu site se parecer bastante com sites de outras empresas. Contudo, após escolher o tema que mais agradou, montar uma interface no Wix é bastante intuitivo.

Você pode colocar o site de seu escritório de advocacia no ar sem gastar nada. Mas isso significa exibir publicidade do Wix em seu site e não ter um domínio próprio. Seu endereço ficaria mais ou menos assim: https:meuescritorio.wixsite.com

WordPress: se você pretende trabalhar o website de seu escritório de advocacia em uma plataforma um pouco mais completa, o WordPress é a melhor opção.

À primeira vista, a ferramenta pode ser mais complicada do que de fato é. Então é preciso um pouco de paciência para aprender a utilizá-la.

Contudo, o esforço compensa. A grande variedade de plugins (ferramentas de extensão) abre um vasto leque de possibilidades para tornar seu site muito mais atrativo e eficiente.

As limitações do plano gratuito são as mesmas do Wix: exibir publicidade da ferramenta e não ter domínio próprio.

Montando um site focado na experiência do usuário

Há algumas formas de estimular e convencer seus visitantes a se tornarem clientes. A primeira, e mais importante delas, é considerar a experiência do usuário.

Quando falamos em compreender a experiência do usuário, falamos em mapear o caminho que o visitante pode percorrer até entrar em contato com seu escritório. A ideia é usar esse conhecimento para facilitar a interação.  

Um site é estruturado em blocos verticais. Tenha em vista que seu visitante verá somente parte do conteúdo de seu blog.

Mais precisamente, 100% dos visitantes verão o primeiro bloco, 75% o segundo, 50% o terceiro, e assim sucessivamente.

Estes dados devem orientar a criação de seu site. Por isso, oriente o conteúdo de sua  página inicial da seguinte forma:

Bloco A: aproveite este espaço para apresentar seu escritório e delimitar o público que você pretende atender.

Por exemplo, deixe claro que trata-se de um site de um escritório de advocacia, e se você atende somente trabalhista, especifique isso neste espaço.

Também utilize o primeiro bloco para proporcionar ao cliente a oportunidade de contato. Você pode fazer isso por meio de um formulário de contato, ou incluindo um telefone do escritório.

Bloco B: resuma as informações fornecidas no primeiro bloco. Apresente suas especialidades, certificados, diplomas, etc.

Bloco C: complemente com detalhes, como valores do escritório, endereço completo, ou o que achar relevante.

No entanto, é provável que seu site não precise ultrapassar o segundo bloco. Procure ser sucinto e direto, transmitindo as informações mais relevantes para o seu público, sem excessos. Pense em seu usuário, e informe com clareza.

***

Se posicionando no Google como um ninja

Agora que seu site está criado e funcionando perfeitamente, é hora de trabalhar a forma como ele será encontrado no Google.

Aqui, veremos algumas dicas simples para otimizar seu site para o Google, seja com o Wix, seja com o WordPress.

Vamos lá?

Otimizando o site de seu escritório de advocacia para o Google

Como já mencionamos neste artigo completo de como se tornar um advogado especialista em Google, o primeiro passo é compreender a anatomia de um resultado de pesquisa.

Um resultado de pesquisa do Google se apresenta da seguinte forma:

Ou seja, o resultado se divide em três categorias:

Título: apresentação breve do escritório de advocacia (entre 50 e 60 caracteres)

Url: endereço do site

Meta descrição: detalhamento das atividades do escritório (recomenda-se um limite de 300 caracteres para o texto)

Essas linhas de resultado podem ser facilmente editadas a qualquer momento, usando tanto o WordPress quanto o Wix.

Editando linhas de resultado no Wix.

Em primeiro lugar, na barra superior da edição de seu site, acesse “Site” e em seguida “Painel de Controle”.

Na barra lateral, selecione “Divulgação” e “Seja encontrado no Google”. A partir daí, o Wix conduzirá o processo.

Editando linhas de resultado no WordPress

No WordPress, é recomendado que se instale um plugin gratuito chamado “Yoast SEO”. Essa ferramenta de extensão irá permitir que você otimize qualquer página indexada a seu site.

Portanto, se você quiser começar um blog com artigos periódicos, poderá usar o Yoast para otimizar cada uma dessas publicações.

Para encontrar o Yoast, procure por “Plugins” na barra lateral de seu WordPress e selecione “Adicionar novo”. Pesquise pelo nome do Plugin e instale na ferramenta.

Em seguida, edite a página principal de seu site e, no rodapé, descreva como quer que o Google apresente seu escritório de advocacia em resultados de pesquisa. Em tempo real, a ferramenta calcula se o volume de texto é adequado ou excedente.

O que escrever nestes espaços?

Não se pode decidir em que posição aparecer, isso o Google fará por você. Mas com algumas otimizações, é possível fazer com que suas linhas de resultado não apareçam apenas em maior número, mas também apareçam para as pessoas que você quer atingir.

Otimizando o title de seu resultado em 3 passos

  • Destaque sua especialidade – comece pensando em como as pessoas buscariam seus serviços no Google. Por exemplo, se você é um advogado criminalista, deixe isso claro já no title.
  • Se apresente – aqui, mostre quem você é. Coloque seu nome, ou o nome de seu escritório.
  • Seja local – aproveite o title para especificar a cidade na qual você e seu escritório atendem.

Otimizando a meta description em 2 passos

  • Detalhe o que já foi dito – utilize a meta description para trazer um pouco mais de profundidade ao que foi colocado no title. Se o title já especifica sua especialidade, utilize este espaço para justificá-la.
  • Pense como o cliente – como um cliente em potencial encontraria seu escritório? Pense em palavras que ele poderia pesquisar e busque utilizá-las na meta description. Por exemplo, se você é especialista em trabalhista, pode ser que seu cliente busque por palavras como “advogado horas extras”, “advogado insalubridade”.

Dessa forma, seu escritório facilita que pessoas interessadas em serviços de sua especialidade o encontrem. Além disso, atrai um público local, que seus advogados possam atender, evitando que um cliente do Rio Grande do Sul entre em contato com seu escritório no Paraná.

Otimizando suas linhas de resultado, seu marketing jurídico é muito mais certeiro, de modo que seu escritório atraia o cliente ideal, na localidade ideal.

***

Este é o primeiro episódio do Guia do Advogado Ninja – uma série de artigos com foco em ajudar escritórios de advocacia a atingirem os melhores resultados com a menor perda de recursos possível.

Quer receber os próximos episódios? Inscreva-se no formulário abaixo: 

Inovação em seu e-mail

Receba nossos melhores artigos e as dicas que você precisa para tornar seu escritório mais produtivo e eficiente.




Google Analytics para advogados ninja

Uma etapa fundamental de qualquer ação de marketing é a mensuração. É aí que o entra um grande aliado do advogado em termos de marketing jurídico: o Google Analytics.

Inscrever seu site no Google Analytics é gratuito e muito simples.

É com essa ferramenta que seu escritório terá uma visão em tempo real do fluxo de visitantes, das origens dessas visitas e de seu comportamento dentro do site.

São inúmeros dados para monitorar, e diversas variáveis. A ferramenta é completa, e para quem não está habituado, o Google Analytics pode parecer um tanto complexo em um primeiro contato.

Contudo, com algumas dicas, será mais fácil definir o que vale a pena mensurar em seu escritório de advocacia e o que não vale.

1. Origem

De onde chegam seus visitantes? Do Google, mídias sociais, mídia paga?

Isso pode dizer muito a respeito dos esforços do seu marketing digital. Alguma coisa está errada, por exemplo, se sua equipe faz muitas publicações no Facebook e LinkedIn e o Analytics aponta que as mídias sociais trazem pouquíssimo trafego ao seu site.

Além de Google, link direto (digitando www.seusite.com.br na barra de endereço) e redes sociais, a ferramenta ainda mostra quantas pessoas chegaram por meio de referências (links de outros sites que levam diretamente ao seu).

Como melhorar com os resultados observados?

  • A forma mais barata e indicada de ganhar acessos qualificados no seu site é por meio da visita orgânica. Se você observa que tem poucos acessos orgânicos no seu site, produza mais conteúdo com as palavras-chaves do seu negócio;
  • Como foi dito, se você investe muito tempo em Facebook e tem pouco retorno de tráfego, talvez seja a hora de você reavaliar sua estratégia social, linkando áreas do seu site em publicações contextuais ou criando campanhas no Facebook Ads.

2. Fluxo de usuários

Qual caminho o usuário percorre ao entrar no seu site até a momento da saída? Isto é: assim que alguém entra no endereço, qual são seus próximos clicks antes de deixar seu site?

Qual a taxa de rejeição de seu site? Ou seja, qual a porcentagem de visitantes que entram em seu site e saem sem visitar outras páginas?

Esta pesquisa pode ser realizada de uma forma geral e segmentada (apenas com usuários que vieram de redes sociais, no último mês etc).

Como melhorar com os resultados observados?

  • Sites que possuem uma única página (sem links ou outras páginas) possuem grandes taxas de rejeição, afinal não há para onde o usuário ir. Mas se o seu site possui outras páginas e tem concentração de rejeição na página inicial, é sinal de que ele não é intuitivo o suficiente para o seu cliente, ou que seu conteúdo não é condizente com o que o cliente estava procurando;
  • Uma maneira de tornar o fluxo de seu usuário mais didático é ser muito objetivo com as palavras. Por exemplo, nomear os menus como ‘áreas de atuação, quem somos e contato’.

3. Tecnologia

Qual a importância real de se monitorar os dispositivos pelos quais seus usuários acessam seu site?

Imagine-se tentando ler um texto em seu celular, mas tendo que arrastar uma barra de rolagem para ler o final de cada linha. A experiência não satisfaz, e você provavelmente abandonaria o site, certo?

Na aba Tecnologia são detalhados quais são os navegadores, resoluções de tela e sistemas operacionais mais utilizados pelos usuários que visitam seu site.

Como melhorar com os resultados observados?

  • Ao analisar este menu, você irá perceber que as pessoas acessam seu site de diferentes navegadores e resoluções. Certifique-se de que seu site irá funcionar bem em todos eles;
  • Talvez outra surpresa será ver o número de usuários que acessam seu site via celular, o que sugere que você comece a pensar em uma versão mobile ou um layout reduzindo, mais objetivo.

4. Conteúdos mais acessados

Agora, se seu escritório já está trabalhando com uma estratégia de marketing mais consolidada, utilizando marketing de conteúdo (aprenda em um minuto o que é), publicando artigos recorrentes em seu blog e voltados para a captação de clientes, é importante monitorar seu desempenho.

É possível ver quais são as páginas mais acessadas no seu site desde o seu início, assim como personalizando o filtro de período analisado, visualizando as páginas mais acessadas no último mês, nos últimos três meses, na última semana, último ano e assim por diante.

Nesta opção, é possível conferir as visualizações que cada página obteve, além do número de visualizações únicas, ou seja, a contabilização única de todas as visitas de uma pessoa específica no período selecionado.

Ainda no menu ‘conteúdo do site’, é possível ver a taxa de rejeição de cada uma delas. Outro dado importante é o ‘tempo médio de página’, que mostra o tempo médio que usuários ficaram nas páginas do seu site.

Como melhorar com os resultados observados?

  • Verifique os 10 conteúdos mais acessados do seu site. Sobre o que eles falam? Geralmente são esses que trazem a maioria das pessoas para o seu site. É como você quer ser encontrado? Produza mais sobre o assunto. Não é? Mude sua estratégia editorial;
  • Se há uma grande taxa de rejeição nos conteúdos do seu blog é porque talvez o usuário não veja sentido em continuar navegando no seu site após ler o texto em questão. Linkar posts relacionados ou outros conteúdos pode ajudar.


Leia também: Monitorando a concorrência como um ninja

***

Divulgando seu trabalho nas redes sociais como um ninja

Após criar seu site, o advogado ninja deve estruturar processos de divulgação de seu trabalho. As redes sociais representam o espaço excelente para compartilhar conhecimento e gerar oportunidades.

Nesse sentido, há advogados que optam por usar seu perfil próprio instrumentalizar sua divulgação, enquanto outros criam páginas corporativas para seus escritórios de advocacia. O recomendado é que se faça ambos.

Você pode, por exemplo, criar uma página para se posicionar diante de seu público presente no Facebook e usar seu perfil pessoal do LinkedIn para se relacionar com o público desta rede social e fazer networking com outros advogados.

Uma presença ativa nas redes sociais permite o contato com profissionais de diferentes segmentos e visões de mundo, de modo que, além de compartilhar conhecimento, pode-se absorver tanto quanto.

E nem mesmo o Código de Ética da OAB é um empecilho para que você se posicione nas redes sociais e impulsione sua captação de novos clientes.

CED (Código de Ética e Disciplina). Capítulo IV – “Da Publicidade”. Art. 28. O advogado pode anunciar os seus serviços profissionais, individual ou coletivamente, com discrição e moderação, para finalidade exclusivamente informativa, vedada a divulgação em conjunto com outra atividade.

Ou seja: compartilhar conteúdos com fins meramente comerciais que mais parecem spam do que um conteúdo realmente relevante às pessoas que seguem sua empresa (que podem ser, inclusive, seus clientes ou colegas de profissão), além de não ser uma atitude ética, faz com que você perca o potencial que o espaço social oferece.

Como me posicionar nas redes sociais como um ninja?

Desmistificar o universo jurídico: para alguém que irá entrar com uma ação ou está se defendendo de uma, talvez seja complexo entender alguns procedimentos da dinâmica advocatícia.

Logo, é um excelente tipo de conhecimento para passar adiante às pessoas nas redes sociais. Explicar significados, elucidar etapas de tramitação e desburocratizar a comunicação pode ser muito útil e eficaz.

Deste modo, o advogado consegue se posicionar enquanto autoridade nas temáticas que aborda. Com uma reputação impecável e inquestionável, captar novos clientes será uma tarefa menos complicada.

Estimular discussões e troca de conhecimento: aproveite seu perfil ou página em redes sociais para compartilhar conhecimento que impacte diretamente a rotina de seus colegas advogados, bem como de seu cliente final.

Uma prática comum nas redes sociais é a curadoria, onde as empresas utilizam conteúdos produzidos por outros sites, como veículos de comunicação, para publicar em sua página, por serem informações que se relacionam com o seu negócio.

Faça link para conteúdos mais densos: o assunto rende? De repente o seu perfil nas redes sociais não é o espaço ideal para trabalhá-lo com a profundidade necessária.

Então, que tal escrever um artigo para o seu site, explorando o assunto com um cuidado maior?

As mídias sociais podem funcionar como uma espécie de “ponte”, levando os usuários que estão conectados à sua página para o seu site, onde você pode oferecer, na matéria com o link, outros conteúdos relacionados ao tema que levou o usuário até o blog, enriquecendo assim sua experiência de leitura.

Promover inovação: você é um advogado atento ao progresso do mercado e suas inovações? Aproveite as redes sociais para promover esta mentalidade inovadora.

O que o advogado precisa entender é: o digital é um caminho sem volta. Muitos advogados argumentam que consegue realizar seu trabalho com a agenda de papel. O que eles não percebem é o tempo que desperdiçam ao utilizar a agenda de papel.

Aqui na ProJuris, temos a convicção de que a advocacia no Brasil irá se modernizar mais a cada dia, e acreditamos firmemente no compartilhamento de conhecimento como um facilitador para a inovação.

Você tem feito de uso efetivo da tecnologia para ter mais tempo livre para se dedicar ao cliente? Que tal utilizar as redes sociais para posicionar-se neste sentido, colocando-se na linha da frente da inovação na advocacia?

***

Construindo um perfil social como um ninja

Seu perfil é seu cartão de visitas virtual. Um bom perfil social é tão importante para sua reputação quanto o terno que você veste em uma audiência. Portanto, garanta que seu perfil gere uma boa primeira impressão em seus clientes, potenciais clientes e colegas.

O ideal é compreender o propósito de sua atuação em cada canal de mídia social: quem você quer atingir e qual o objetivo deste contato.

Considerando que tanto Facebook quanto Twiiter são redes amplamente utilizadas para fins pessoais, focaremos nossas sugestões para criação de um perfil forte para advogados no LinkedIn, a maior rede profissional do mundo.

Em seguida, cabe a você avaliar a aplicação das dicas aos demais canais, de acordo com suas necessidades e objetivos.

8 passos para construir um perfil poderoso no LinkedIn

Um benefício que o LinkedIn oferece é ele mesmo classificar o perfil de seus usuários. Ou seja, você não montará seu perfil às cegas, a própria plataforma indica se seu perfil está bom ou não.

Ao criar seu perfil, você perceberá que, ao lado direito da tela inicial da conta, o LinkedIn indica a “força do perfil”, sendo as melhores classificações, em ordem crescente: iniciante; intermediário; avançado; especialista e campeão. E para tornar os seu perfil campeão não é difícil, basta seguir alguns critérios básicos:

  • Escolha uma boa foto de perfil: escolha seu melhor terno, estufe o peito e sorria. Essa será a primeira impressão que suas conexões terão de você.
  • Informe seu cargo e função atual: essas informações aparecerão logo abaixo de sua foto de perfil.
  • Informar o seu setor: ao informar seu setor – “Serviços Jurídicos”, por exemplo -, você aumenta suas chances de ter seu perfil encontrado por pessoas que procuram por estes serviços.
  • Preencher pelo menos 2 posições de trabalho anteriores à atual, com as suas devidas descrições: chegou a hora de apresentar sua experiência na área. Aproveite para descrever suas atividades, e também detalhes da atuação (especialidades de cada escritório pelo qual passou, tipos de serviços oferecidos, etc.
  • Preencher sua Formação Acadêmica: informe sua formação acadêmica, e também cursos e eventos mais determinantes para sua carreira.
  • Adicionar pelo menos 5 competências: adicione competências para mostrar o que você faz de melhor. Essa informação fica pública e outros advogados, ou clientes, podem vir até seu perfil e recomendá-las. Experimente visitar o perfil de outro profissional e recomendar suas competências. Quem sabe ele retribua a gentileza e o reconhecimento.
  • Preencher a seção Resumo: aproveite este espaço para falar um pouco sobre sua experiência e destacar suas principais habilidades. 4 linhas é o suficiente.
  • Ter pelo menos 50 conexões: com tudo pronto, chegou a hora de fazer conexões. Adicione seus contatos profissionais e dê maior autoridade ao seu perfil.

Gostou da brincadeira? O colega Christian H. Mendes publicou este guia completo de LinkedIn para advogados.

***

Este é o primeiro episódio do Guia do Advogado Ninja – uma série de artigos com foco em ajudar escritórios de advocacia a atingirem os melhores resultados com a menor perda de recursos possível.

Quer receber os próximos episódios? Inscreva-se no formulário abaixo: 

Inovação em seu e-mail

Receba nossos melhores artigos e as dicas que você precisa para tornar seu escritório mais produtivo e eficiente.




Comentários 1

  1. Todo o conteúdo que possa ajudar o advogado a obter mais clientes e ampliar suas receitas é muito bem vindo. Percebi que praticamente a totalidade das dicas aqui compiladas leva em consideração o código de ética da OAB, o que me deixa mais confiante e tranquilo.
    Obrigado pelas ótimas dicas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *