5 motivos para aplicar o legal design à sua produção jurídica

24/05/2021
 / 
23/11/2023
 / 
6 minutos

Já tivemos oportunidade de abordar a metodologia do Legal Design em março desse ano. Tratamos, então, dos principais conceitos do Legal Design. E trouxemos os elementos que compõem essa nova forma de produzir textos e informações jurídicas que vai revolucionar à comunicação escrita do operador do direito.

Agora eu mostro a você por que aplicar essa técnica fará a diferença na sua produção!

Navegue por este conteúdo:

Antes de falar dos benefícios, contudo, vamos relembrar os principais conceitos sobre Legal Design.

1. Novo MINDSET: criatividade, inovação e linguagem moderna

Vale lembrar que o Legal Design não é apenas um recurso através do qual se utiliza símbolos, desenhos e formas nas petições jurídicas. Legal Design é, antes de tudo, um novo mindset. E por isso, precisa que se compreenda e desenvolva de acordo com elementos centrais do escritório de advocacia, tais como:

  • visão;
  • missão;
  • propósito; e
  • valores da banca.

O mindset proposto pelo Legal Design é a criatividade e a inovação do pensamento e da linguagem jurídica. Obviamente que nenhum escritório de advocacia precisa adotá-lo. No entanto, se a banca aposta na inovação e na tecnologia, se acredita que a advocacia é feita para o CLIENTE e que o Poder Judiciário precisa entender melhor a pretensão deduzida, em todas as formas, certamente o Legal Design é a ferramenta que pode traduzir esse objetivo no processo e na forma de prestar o serviço jurídico.

O mindset, dessa forma, é o ponto de partida. Mas há mais. Internalizar os benefícios que o Legal Design pode produzir e os reais objetivos dele para a advocacia requerem, acima de tudo, muita disposição da banca. Afinal, demandará um planejamento estratégico, uma estrutura para adotar a metodologia do futuro para nós, advogados e advogadas.

2. UX: a experiência do usuário ou cliente é o mais importante

Apesar de a mudança acontecer na advocacia, na forma de advogar, na prestação dos serviços jurídicos como um todo, o valor do Legal Design não está na advocacia em si, mas na experiência que seu cliente pode ter com a nova forma de dizer o Direito.

Não é o advogado ou advogada o que importa na adoção do Legal Design. Evidente que somos os instrumentos necessários à adoção do novo modelo, mas o destinatário é, sem dúvidas, o cliente.

O que queremos, afinal, com qualquer mudança que seja estruturante para a advocacia é que os resultados sejam sentidos pelos nossos clientes. E, claro, queremos que nossa reputação e credibilidade se destaquem no mercado jurídico.

Como profissionais realmente preocupados com nossos clientes, nosso objetivo, ao adotar o Legal Design, é gerar o máximo de confiança possível com o nosso trabalho. Isto inclui a contratação, que passa pela leitura de uma procuração e um contrato de honorários simples e acessível, através dos quais o cliente se sinta representado e seguro. Mas inclui também a petição a ser protocolada, que passará pelo cliente antes, se assim desejar, como forma de acompanhar todos os passos e caminhos do processo ou estratégia jurídica adotada pela banca.

Portanto, cabe lembrar que um dos pilares do Legal Design é o UX (user experience ou a experiência do usuário). Ou seja, a adoção da nova forma de pensar o DIREITO tem por finalidade principal tornar o DIREITO compreensível por seu titular, ou seja, pelo cliente que tem a pretensão ou a defesa a ser apresentada em juízo.

É muito comum ouvir clientes reclamando da falta de clareza nas petições, na linguagem do advogado ou nas decisões do TRIBUNAIS. Sim, já evoluímos muito nos últimos 10 anos, até porque juízes não tem mais tempo de produzir com o vocabulário jurídico formal e citar fontes clássicas do direito. Hoje a decisão basicamente fundamenta-se em precedentes e daí surge a importância da júrimetria, tão falada na perspectiva da advocacia 4.0.

Mas voltando ao assunto, o Legal Design é a resposta que a advocacia dá para melhorar o serviço jurídico e torna-lo mais humanos, mais inteligível e acima de tudo tornar o direito do cliente acolhido pelos Tribunais.

baixe a planilha de honorários e saiba quanto cobrar em todos os estados do Brasil

3. Fator Tempo: falar mais, o necessário e em menos tempo.

Outro fator importante que justifica a adoção do Legal Design é o tempo.

É um consenso que nem advogados nem juízes estão mais disponíveis para elaborar e ler páginas e páginas de argumentação fática e jurídica repetitivas. Tudo Não quero com isso dizer que formulários e modelos padrão de peças jurídicas devam ser adotados, engessando a forma de postular um direito, já que a argumentação é um ato de inteligência e carregada de subjetividade, sendo uma arte e toda arte deve ser livre de formas e ritos.

Desse modo, o Legal Design por usar símbolos, linhas do tempo, gráficos e imagens reduz muito a quantidade de texto produzido e fala diretamente com as emoções do leitor, trazendo mais assertividade, clareza e emoção na mensagem facilitando, portanto, a compreensão dos operadores jurídicos.

Não sabemos que UMA IMAGEM vale mais do que mil palavras? É exatamente por isso que a adoção do Legal Design é um valioso recurso para inaugurarmos um novo modo de pensar, produzir e conhecer o direito na atualidade, onde o tempo é escasso, razão pela qual a compreensão da argumentação jurídica de forma racional e clara convêm muito.

A seguir, vamos indicar mais motivos pelos quais você, advogado e advogada deve adotar o LEGAL DESIGN.

  1. Levar ao cliente petições e documentos mais clareza, assertividade e entendimento acerca da linguagem jurídica. Ganho: confiança do cliente.
  2. Ter suas petições lidas e compreendidas pelo Poder Judiciário em menos tempo. Ganho: contribuir com a agilidade do processo decisório.
  3. Imagens invocam sentimentos, por isso a argumentação fática e jurídica quando traduzida em imagens gera mais afinidade com a tese, a partir de elementos ilustrativos que causam emoções no leitor. Ganho: petições mais fáceis e divertidas de ler, a resultar numa experiÊncia mais agradável e singular.
  4. Uso da tecnologia na produção jurídica que demonstra inovação, como por exemplo, adoção de QRCODES nas petições que levam o Julgador a acessar trechos de obras jurídicas, pesquisas, dados, jurisprudência, enfim, uma série de elementos que seriam anexados Às demandas agora podem ser lidos e acessados através do recursos que facilitam o uso desses elementos.
  5. O DESIGN contribui para que o cliente entenda o que pode acontecer com seu processo através de fluxos, gráficos e ilustrações que traduzem as fases processuais e comunicam melhor e mais rápido para o cliente que não quer ler, mas apenas entender o que pode acontecer. Ganho: menos ansiedade na espera dos resultados ao longo do processo e mais confiança no trabalho do advogado e advogada.
baixe gratis quatro modelos de contratos em legal design

Uma advocacia feita para os clientes

Com o Legal Design, constatamos e materializamos que a advocacia é feita para o CLIENTE e não para advogados e advogadas. É centrada no aspecto humano do serviço jurídico e voltado para ele, afinal toda a produção jurídica passa a ser compreendida e acessada através de um modo simples, rápido e confiável.

acesse uma planilha de honorários e saiba quanto cobrar por seus serviços como advogado

Com a palavra, um dos expoentes no assunto, Margaret Hagan:

Design is about figuring out smart, usable, practical ways to make change happen — to make more engaging communications, to create breakthrough new products, to deploy more satisfying services, and to set up more effective organizations, policies, and strategies. (Fonte: https://lawbydesign.co/)

Use as estrelas para avaliar

Média 0 / 5. 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário