Regimes de tributação: qual escolher para seu escritório?

18/02/2016
 / 
17/05/2023
 / 
6 minutos

Conheça o que são os regimes de tributação e veja como escolher o regime mais adequado ao perfil de seu escritório de advocacia.

Direito Tributário é uma área extremamente diversificada e dinâmica. Consequentemente, o profissional especializado necessita atualizar-se constantemente. Isto porque as mudanças relacionadas à tributação ocorrem com bastante frequência.

Com uma lista de 92 itens passíveis de tributação, o Brasil é um dos países com as mais altas cargas tributárias do mundo.

Nesse cenário, entender como se dá a tributação de diferentes tipos de negócios e conhecer as vantagens e desvantagens das opções existentes é essencial. Se você é advogado e deseja atuar com Direito Previdenciário, ou mesmo se precisa adequar o regime tributário do seu escritório de advocacia, este artigo é para você. Boa leitura!

Navegue por este conteúdo:

Formas de tributação e regimes tributários existentes

No Brasil, os tributos dividem-se entre impostos, taxas e contribuições de melhoria. E assim, têm a finalidade de financiar as atividades do Estado. 

Vicente Capella, advogado tributarista, sócio da Capella, Fogaça e Suzin Advogados Associados, professor de Direito Tributário da Unisul, comenta que, hoje, o maior desafio do Direito Tributário dentro de escritórios de pequeno e médio porte é definir a melhor forma de tributação.

Destaca o advogado tributarista:

Quando falamos em Direito Tributário, é interessante focar, principalmente, tratando-se de pequenos e médios escritórios, nos modelos de tributação disponíveis e que podem ser adotados, de acordo com o perfil do escritório. Pois esses estão na faixa de faturamento com mais possibilidades de regimes de tributação e, por essa razão, podem fazer opções mais ou menos vantajosas. De forma geral são três as opções: atuação em nome da pessoa física, constituição de uma pessoa jurídica no tributada no lucro presumido e o SIMPLES Nacional. Cada uma das formas de tributação pode ser mais interessante dependendo da receita anual advinda da advocacia. Somente a análise de cada caso responderá a situação menos onerosa do ponto de vista tributário.

A seguir, você conhecerá 3 regimes de tributação existentes no Brasil e aplicáveis aos negócios:

  • Pessoa física;
  • Pessoa jurídica;
  • SIMPLES Nacional.

Vejamos as particularidades de cada um desses regimes.

1. Regime de tributação para advogados: pessoa física

O advogado, nesse regime de Direito Tributário, oferecerá seus rendimentos considerando a tabela do imposto de renda pessoa física (IRPF) anual que vai da isenção (até R$ 22.499,13) até a alíquota de 27,5% (acima de R$ 10.302,70). A vantagem dessa sistemática é que são dedutíveis as despesas ligadas à atividade (aluguel da sala comercial, telefone, internet, condomínio, etc.).

Para tanto, o advogado deverá manter um livro caixa onde tais gastos serão registrados e guardar os respectivos comprovantes. Deve-se, ainda, considerar a necessidade de recolher a contribuição previdenciária (INSS) sobre os rendimentos recebidos como contribuinte individual, bem como o Imposto Sobre Serviços (ISS).

2. Regime de tributação para advogados: pessoas jurídicas

Segundo as normas de Direito Tributário, é possível adotar o lucro presumido. Essa modalidade de regime abrange os tributos federais, tais como:

Abra sua conta no Projuris ADV

Nessa sistemática o faturamento anual máximo é de R$ 78 milhões. Já a tributação varia de 11,33% a 14,53% tomando por base a receita. Ainda será necessário recolher o ISS. Os lucros distribuídos da pessoa jurídica à pessoa física do sócio não sofrem nova tributação por serem isentos.

3. Regime de tributação para advogados: SIMPLES Nacional

Desde 2015, as sociedades de advogados podem optar pela tributação no SIMPLES Nacional. Conforme normas de Direito Tributário, nesse regime todos os tributos federais e municipais (IRPJ/CSLL/PIS/COFINS/ISS) incidentes sobre as receitas são pagos em uma única guia e há redução da burocracia. O SIMPLES Nacional é permitido para quem faturar até R$ 3,6 milhões por ano. No entanto, para receitas anuais superiores a R$ 2,7 milhões essa sistemática perde sua atratividade financeira.

Por fim, a recente Lei nº 13.247, publicada em 13/01/2016, previu a possibilidade da constituição de pessoas jurídicas por apenas um profissional. É, então, a chamada “sociedade unipessoal de advocacia. Assim, o advogado que não pretende ter sócios pode optar pelo lucro presumido ou pelo SIMPLES Nacional. Desse modo, obterá redução da carga tributária quando comparada com a tributação da pessoa física sujeita à alíquota de 27,5%. 

A adoção do SIMPLES para essa nova modalidade é defendida pela OAB, mas a Receita Federal editou comunicado em sentido contrário. O tema ainda será objeto de vários debates.

Preenchidos os requisitos da Lei Complementar nº 123/2006, o advogado poderá, então, optar pelo Simples Nacional:

  • em até 180 dias, a partir da data de constituição junta à OAB;
  • até 30 dias da liberação do cadastro junto à Prefeitura em que o escritório está localizado;
  • no mês de Janeiro de cada ano.

3. 1. Itens necessários para o controle de contabilidade no SIMPLES Nacional

Segundo o artigo 63 da Resolução CGSN nº 140/2018, norma de Direito Tributário, é necessário à contabilidade para advogados que optem pelo Simples Nacional, possuir os seguintes registros e controles, através de livros :

acesse uma planilha de honorários e saiba quanto cobrar por seus serviços como advogado
  • Livros Caixa: com a escrituração de toda a sua movimentação financeira e bancária;
  • Livro Registro de Inventário: com registro dos estoques existentes no término de cada ano-calendário, caso seja contribuinte do ICMS;
  • Registro de Entradas: modelo 1 ou 1-A, com a escrituração dos documentos fiscais relativos às entradas de mercadorias ou bens e às aquisições de serviços de transporte e de comunicação efetuadas a qualquer título pelo estabelecimento, caso seja contribuinte do ICMS;
  • Livro Registro dos Serviços Prestados: com registro dos documentos fiscais relativos aos serviços prestados sujeitos ao ISS, caso seja contribuinte do ISS;
  • Registro de Serviços Tomados: com registro dos documentos fiscais relativos aos serviços tomados sujeitos ao ISS;
  • Livro de Registro de Entrada e Saída de Selo de Controle: caso seja exigível pela legislação do IPI;

No tocante ao Livro Caixa, faz-se uma ressalva no parágrafo 3º. Isto porque é dispensada a sua apresentação. No entanto, somente será dispensada caso se apresente a escrituração contábil, em especial o Livro Diário e o Livro da Razão.

Perguntas frequentes

O que é regime de tributação?

O regime de tributação é um sistema pré-determinado que estabelece o volume de tributos e impostos que deverão ser obrigatoriamente pagos, a depender do valor arrecadado.

Qual o melhor regime de tributação para escritórios de advocacia?

Para decidir qual o melhor regime de tributação para o seu escritório, considere o volume de arrecadação atual do seu negócio, o volume futuro, e as taxas e deduções associadas a cada regime. Considere também a projeção de ganhos futuros, para garantir que o regime tributário escolhido será adequado a curto e médio prazo. Se necessário, busque ajuda especializada.

Conclusão

Frente aos três regimes de tributação disponíveis para escritórios (pessoa física, pessoa jurídica e SIMPLES Nacional), é essencial que o advogado faça uma avaliação do cenário atual das finanças do negócio, bem como, realize uma projeção de renda futura.

Só assim, será possível escolher o regime de tributação mais adequado. Lembre-se que cada regime traz consigo vantagens e desvantagens. É necessário pesar esses fatores, antes de tomar qualquer decisão.

Leia também:

Use as estrelas para avaliar

Média 5 / 5. 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário