Principais aspectos da impugnação à contestação e como elaborar uma?

23/08/2022
 / 
16/04/2024
 / 
9 minutos

Todo o processo civil tem início com uma petição inicial e tudo o que vem depois desta passamos a chamar de andamentos processuais. Assim sendo, logo após a petição inicial, o réu pode dar andamento ao processo e responder à esta petição com uma contestação. Quando a parte que abriu o processo recebe a contestação, ela pode fazer outro andamento chamado impugnação à contestação, ou então, réplica. E assim por diante.

É sobre a impugnação à contestação que iremos falar neste artigo. Assim, discutiremos: como fazer uma réplica bem feita? O que não se pode esquecer? Qual a importância dessa ação no processo judicial e muito mais! Então, vamos lá?

O que é a impugnação à contestação?

A impugnação à contestação, também conhecida como réplica, é a ação judicial que se permite à parte que abriu o processo para que ela possa acusar e se defender de alegações feitas pelo réu na contestação.

Ela é a peça processual onde se tem a oportunidade de elaborar um tese mais detalhada, mostrando, assim, os pontos controversos da contestação e provando o ponto do autor contra as alegações do réu. Isso porque, a impugnação à contestação, não é uma peça padronizada, dando assim, maior liberdade ao advogado ou advogada do caso de apresentar sua argumentação de maneira mais complexa e completa.

Esta ação está disposta no art. 437 do novo CPC:

Art. 437. O réu manifestar-se-á na contestação sobre os documentos anexados à inicial, e o autor manifestar-se-á na réplica sobre os documentos anexados à contestação.

Quando começa o prazo para impugnação a contestação?

Anteriormente, no CPC/73, o prazo para a impugnação à contestação era de 10 dias. Entretanto, o CPC/15 alterou alguns prazos que se observaram irreais para certos tipos de ação em processos judiciais. Uma delas, então, foi a réplica que teve seu prazo alterado para 15 dias. Assim, segundo o mesmo artigo do novo CPC:

§ 1º Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra parte, que disporá do prazo de 15 (quinze) dias para adotar qualquer das posturas indicadas no art. 436 .

Entretanto, o prazo começa a contar nas seguintes situações:

1 – art. 350 do Novo CPC

Art. 350. Se o réu alegar fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 15 (quinze) dias, permitindo-lhe o juiz a produção de prova.

2 – art. 351 do Novo CPC

Art. 351. Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 337, o juiz determinará a oitiva do autor no prazo de 15 (quinze) dias, permitindo-lhe a produção de prova.

O art. 337, por outro lado, dispõe:

Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito, alegar:

baixe uma planilha para controle de fluxo de caixa e acompanhe as financas do seu escritorio de advocacia

I – inexistência ou nulidade da citação;

II – incompetência absoluta e relativa;

III – incorreção do valor da causa;

IV – inépcia da petição inicial;

V – perempção;

VI – litispendência;

baixe uma planilha para controle de fluxo de caixa e acompanhe as financas do seu escritorio de advocacia

VII – coisa julgada;

VIII – conexão;

IX – incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização;

X – convenção de arbitragem;

XI – ausência de legitimidade ou de interesse processual;

XII – falta de caução ou de outra prestação que a lei exige como preliminar;

XIII – indevida concessão do benefício de gratuidade de justiça.

(…)

Quais os requisitos para a réplica?

Apesar da mudança de prazo, os requisitos para a impugnação à contestação (réplica) no Novo CPC se mantiveram as do CPC/73. São elas:

  1. Alegação de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor.
  2. Alegação de matérias importantes que modifiquem o rumo da ação, vide art. 351 do Novo CPC.

Leia também:

O que acontece após a réplica?

Se o prazo de 15 dias passar e não for feita a réplica, o novo CPC diz que:

Art. 120. Não havendo impugnação no prazo de 15 (quinze) dias, o pedido do assistente será deferido, salvo se for caso de rejeição liminar.

Mas, se a impugnação à contestação for feita, o passo seguinte é o julgamento do caso. Entretanto, existe a possibilidade de o caso ser extinto ou do julgamento ser antecipado, segundo dispõe os artigos 354 e 355 do Novo CPC, respectivamente:

Art. 354. Ocorrendo qualquer das hipóteses previstas nos arts. 485 e 487, incisos II e III , o juiz proferirá sentença.

Parágrafo único. A decisão a que se refere o caput pode dizer respeito a apenas parcela do processo, caso em que será impugnável por agravo de instrumento.

Art. 355. O juiz julgará antecipadamente o pedido, proferindo sentença com resolução de mérito, quando:

I – não houver necessidade de produção de outras provas;

II – o réu for revel, ocorrer o efeito previsto no art. 344 e não houver requerimento de prova, na forma do art. 349.

Em caso contrário, o julgamento ocorre normalmente. Além disso, segundo o art. 356 do Novo CPC, o juiz pode ainda decidir total ou parcialmente sobre o caso, a depender do que este acreditar ser propício ao momento.

Como montar uma impugnação à contestação?

Sabendo o que é e quais os requisitos da impugnação à contestação, é ainda mais fácil saber como fazer essa peça processual. Vou dar aqui, então, algumas dicas para essa elaboração. Confira!

  1. Verifique a tempestividade

    As peças tem um tempo pré-estabelecido para apresentação dentro do processo judicial. Como você já viu durante o artigo, a réplica é uma peça que se deve apresentar após a contestação.

  2. Verifique a regularidade da representação processual

    É importante estar atento se o réu consegue compor o processo. Se for o caso, podemos dar andamento ao processo. Mas, se não for, será necessário pausar os andamentos processuais ou então o juiz deverá dar um prazo para que a situação seja regularizada.

  3. Manifeste quanto à preliminar

    Nesse momento, você deverá olhar para as alegações preliminares e impugnar cada uma das alegações feitas pelo advogado ou advogada do réu. Assim, você consegue elaborar melhor a sua defesa.

  4. Analise o mérito

    É indispensável analisar cada um dos tópicos da peça da contestação a fim de identificar se o réu cumpriu com todos os requisitos da peça. O Novo CPC diz que, o réu deve responder a todas as alegações da petição inicial na contestação.

  5. Analise os documentos

    Após analisar a resposta, é o momento de olhar para as novas alegações e documentos novos na contestação para a elaboração de uma boa impugnação. Se acaso, alguma das alegações não for respondida, subentende-se que a parte concorda com a alegação disposta na peça.

  6. Ratifique a inicial

    O autor não pode, de maneira alguma, esquecer de ratificar na impugnação à contestação, o que alegou na petição inicial. Assim, o autor demonstra verdade no que alegou inicialmente.

  7. Escreva e revise

    Por fim, o último passo de uma boa impugnação à contestação é a escrita e revisão da peça.

Qual a estrutura de uma réplica [MODELO]?

De maneira simples, a estrutura de uma réplica deve conter:

  1. O endereço;
  2. A qualificação do autor;
  3. A verdade dos fatos;
  4. O direito;
  5. E, o pedido;

Vejamos um modelo de peça com esses passos!

1 – Endereço

O endereço é a identificação do juízo e da vara na peça processual. Por exemplo:

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA [nº]ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE [cidade/estado]

2 – Qualificação do autor

A petição inicial já traz a qualificação do autor, entretanto, recomenda-se repeti-lá na impugnação à contestação, a fim de reafirmar a alegação. Por exemplo:

nome completo em negrito do reclamante), … (nacionalidade), … (estado civil), … (profissão), portador do CPF/MF nº (xxx.xxx.xxx-xx), com Documento de Identidade de n° (xxxxxxx), residente e domiciliado na Rua …, n. …, … (bairro), CEP: …, … (Município – UF), vem respeitosamente perante a Vossa Excelência propor:

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS C/C DANOS MORAIS, apresentar IMPUGNAÇÃO À CONTESTAÇÃO

em face de … (nome em negrito do reclamado), … (indicar se é pessoa física ou jurídica), com CPF/CNPJ de n. …, com sede na Rua …, n. …, … (bairro), CEP: …, … (Município– UF), pelas razões de fato e de direito que passa a aduzir e no final requer.:

3 – A verdade dos fatos

É neste momento que o advogado ou a advogada irá fazer a apresentação dos fatos e contrapor as alegações do réu. É aqui que o autor irá esclarecer e se defender dos pontos apresentados pelo reclamado. Aqui, entretanto, é importante cuidar para não se repetir o que apresentou na inicial, mas é importante reiterar o que nela foi alegado.

4 – Do direito

Neste momento, o advogado ou a advogada irá embasar a argumentação da parte anterior com a norma jurídica. Ou seja, é aqui que se apresentam as fontes onde se baseia a alegação. Por exemplo:

O requerido ofereceu contestação alegando que não era parte legítima da ação, porém o Código Civil brasileiro, em seu artigo XXX, dispõe:

Art. XXX – [texto da disposição]

[argumentação e explicação do texto normativo e relação com o caso]

5 – Do pedido

Por fim, a última parte é onde deve-se reiterar o pedido da petição inicial. Por exemplo:

ANTE O EXPOSTO, reiteram-se os pedidos formulados na inicial de fls. XX a XX, bem como, os fundamentos de direito, afastando-se todos os argumentos contidos na contestação do Banco …, e jugando-se o petitório totalmente procedente.

Nestes termos,

pede e espera deferimento.

… (Município – UF), … (dia) de … (mês) de … (ano).

Modelos e software jurídico

Com estes passos, então, já ser torna possível começar a impugnação à contestação e garantir um bom resultado no processo judicial.

Aqui no Projuris ADV ofertamos diversos kits de modelos de peças processuais que podem te auxiliar nesta produção.

Além disso, dentro do próprio software jurídico existe uma funcionalidade chamada “propositor de documentos”. Por meio dela, é possível elaborar peças processuais de maneira ágil e prática, escolhendo tanto um modelo já pronto quanto com os blocos reutilizáveis do sistema. Experimente a ferramenta e comprove.

Principais perguntas sobre o assunto

O que é impugnação à contestação?

Impugnação à contestação é uma ação que é parte de um processo judicial e acontece quando o réu faz uma contestação da petição inicial, ou seja, quando o réu contesta as alegações feitas pela parte autora na abertura do processo judicial.

O que acontece após a impugnação à contestação?

Após a parte autora impugnar a contestação do réu, o processo tem como andamento o julgamento pelo juiz. Entretanto, pode acontecer de o juiz adiantar esta etapa ou ainda, extinguir o caso. Assim, vai depender das alegações feitas nas peças processuais para que o juiz possa julgar o caso, seja total ou parcialmente.

Qual o prazo para impugnação à contestação?

Anteriormente, com o CPC/73 o prazo para impugnar uma contestação era de dez (10) dias. Mas, com o Novo CPC, este prazo aumentou para quinze (15) dias.

Use as estrelas para avaliar

Média 5 / 5. 9

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

  1. Excelente orientação, muito bem fundamentada. Aulas que atende à todos que militam na prática processual civil.

    Parabéns.