Como tipificar a conduta das vacinas aplicadas falsamente?

09/04/2021
 / 
23/09/2021
 / 
3 minutos

A falsa enfermeira foi acusada de aplicar vacinas em políticos e empresários de Belo Horizonte, desviando imunizantes e ferindo o plano nacional de imunização. Como não havia vacina, mas sim soro fisiológico, como tipificar a conduta da investigada?

O que começou com o anúncio de mais um caso de desvios de vacinas contra a COVID-19 no Brasil, se mostra, na verdade, um caso clássico de fraude. Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, teria imunizado 57 pessoas contra o Novo Coronavírus, mas que, após rápida investigação preliminar, foi comprovado de que a mesma sequer era enfermeira, tampouco teve ou tinha em sua posse o imunizante.

Inicialmente, a investigada seria acusada de aplicar vacinas de forma clandestina, ferindo o plano nacional de imunização e, em decorrência de sua atitude, seria deflagrada grande operação para interceptar o local onde a suposta enfermeira estaria desviando as ampolas de Coronavac.

Como já demonstrado, a investigada jamais teve posse das vacinas, o que torna impossível o crime acima mencionado, visto que, ao aplicar soro fisiológico, por impropriedade material fática, não há aplicação de vacina contra a COVID-19, tampouco desvio de imunizantes.

Mas como punir um indivíduo que atua nesta seara da sociedade?

A investigada, na verdade, é cuidadora de idosos, conforme já comprovado pelo inquérito policial em andamento, ou seja, a atuação como enfermeira não seria possível, devendo então ser caracterizada uma contravenção penal, prevista no art. 47 do Decreto Lei nº 3.688/41, que versa sobre o exercício ilegal da profissão, o que pode gerar uma pena de prisão simples de quinze a três meses ou multa.

No que diz respeito à comercialização falsa de vacina contra o novo coronavírus, a investigada deve ser acusada de estelionato, crime previsto no art. 171 do Código Penal, pois atuou com o intuito de obter para si, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, mantendo os compradores a erro mediante artifício fraudulento.

A tipificação ao crime de estelionato se enquadra perfeitamente na atuação da investigada, pois cumpre os cinco requisitos formais para sua caracterização: fraude, erro, vantagem ilícita, prejuízo alheio e dolo.

Cláudia que comete fraude ao comercializar soro fisiológico como o imunizante Coronavac, faz com que os compradores fossem levados à erro sobre o produto adquirido. Além disso, ela obtém a vantagem ilícita, pois cobrava R$ 600,00 para aplicar as duas doses da vacina.

Essa atitude causou prejuízo alheio, já que os “imunizados” poderiam se prejudicar ao viver em sociedade, no momento atual, entendendo estar imunizados e sua atuação dolosa está clara, pois a referida possuía total noção de seus atos e buscou cometer as ações com claro objetivo de obter lucro financeiro.

Ademais, o que ficou em evidência na notícia, além da atuação da investigada, é o fato de que a compra do material utilizado foi realizada por influentes empresários e políticos de Belo Horizonte e, de tal modo, os mesmos também deveriam ser punidos por ferir o plano nacional de imunização.

Como a investigada comercializava soro e não Coronavac, não há desvio de materiais, fomento à organização criminosa, tampouco atuação contra o programa nacional de imunização. Novamente caracteriza-se o crime impossível, pois em razão da ineficácia absoluta do objeto (soro fisiológico), os empresários e políticos não colaboraram para desvios ou quaisquer ações delituosas, mesmo que esta fosse a intenção.

De tal modo, felizmente ou infelizmente, a investigada pode ser punida por até três meses de prisão simples ou multa e os empresários e políticos não podem ser punidos. Já no campo ético, fica a reflexão.

Este texto é parte do projeto colaborativo Jurídico de Resultados, no qual advogados são convidados a compartilhar seus textos. Faça parte da comunidade enviando conteúdos ou consumindo os conteúdos de outros advogados, é grátis!

Autor: Irvyng Ribeiro

Abra sua conta no Projuris ADV

Advogado formado pela UERJ e pós-graduando em Criminologia e Direito Processual Penal;

Sócio proprietário de um Escritório de Advocacia;

Consultor Jurídico de empresas privadas;

Colunista de Direito Penal;

Servidor público com mais de dez anos de experiência no direito brasileiro.

baixe um kit de modelos de peticoes para usar na sua rotina juridica

Use as estrelas para avaliar

Média 0 / 5. 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário