Lei 14151: lei de afastamento de gestantes é revogada

02/05/2022
 / 
15/05/2023
 / 
8 minutos

Em maio de 2021, foi aprovada a lei 14151 que dispunha acerca do afastamento de mulheres gestantes de suas atividades empregatícias enquanto perdurasse a pandemia do coronavírus e a maioria população não estivesse com o esquema vacinal completo no país.

Atualmente, o Brasil conta com mais de 75% da população brasileira está com seu esquema vacinal com duas doses ou dose única da vacina, segundo o portal de notícias G1. Doses reforço não entraram neste dado.

Assim, apesar de ainda não contar com toda a população vacinada, algumas medidas antes adotadas, como o uso de máscaras em ambientes abertos e fechados já estão sendo não obrigatórios.

Logo, não demoraria para que algumas leis criadas devido ao período de pandemia começassem a ser revogadas. Desse modo, no dia 8 de março de 2022, então, o presidente da república Jair Bolsonaro revogou a lei que 14151, permitindo o retorno das mulheres gestantes ao trabalho presencial.

Vale destacar que, a nova sanção presidencial autoriza, inclusive, grávidas não vacinadas a retornarem às suas funções, mediante assinatura de termo de responsabilidade.

Navegue por este conteúdo:

O que é a lei 14151?

A lei 14151 publicada em 12 de maio de 2021 pelo Diário Oficial da União (DOU) foi uma das maneiras encontradas para proteger essa parcela da população contra o vírus de covid-17 e recuperação econômica causada pela pandemia.

A legislação, que ficou conhecida como lei das gestantes permitiu que as grávidas fossem dispensadas das suas atividades presenciais, sem prejuízo de remuneração. A lei permitiu ainda que as grávidas ficassem exercendo suas funções remotamente.

A lei dispõe apenas de 2 artigos:

Artigo 1º — Durante a emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do novo coronavírus, a empregada gestante deverá permanecer afastada das atividades de trabalho presencial, sem prejuízo de sua remuneração.

Parágrafo único. A empregada afastada nos termos do caput deste artigo ficará à disposição para exercer as atividades em seu domicílio, por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma de trabalho a distância.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Qual a importância da lei de afastamento das gestantes?

Como já dito, o principal objetivo da lei 14151 é garantir a segurança das empregadas gestantes contra o vírus de Sars-cov-2. 

baixe uma planilha de timesheet e controle a carga horária da sua equipe

Isso porque, segundo o jornal Folha de São Paulo, uma pesquisa preliminar mostra de que janeiro a setembro de 2021, morreram cerca de 2.450 gestantes.

Logo, a lei foi indispensável para esta proteção, evitando um aumento da taxa de mortalidade de gestantes e fetos. Ademais, segundo pesquisas recentes, a taxa de mortalidade em gestantes não vacinadas é 5 vezes maior do que em vacinadas.

Assim, a decisão de afastamento foi essencial, especialmente em um momento onde a vacinação ainda não estava em um nível avançado.

Controvérsias da lei 14151

Apesar da assertividade da lei 14151, alguns juristas consideram que a lei possui controvérsias.

O primeiro argumento para isso é o fato de que a lei prevê que as grávidas poderiam continuar suas atividades laborais de forma remota, ou seja, o afastamento prevê apenas o afastamento das atividades presenciais. No entanto, não existe nenhuma indicação em casos em que a gestante não consegue exercer sua função de forma remota.

Outro ponto da lei questionado foi em relação à remuneração. A lei previu que as gestantes não sofreriam qualquer prejuízo em relação à remuneração. No entanto, não específica se a remuneração contaria com os custos relacionados aos direitos trabalhistas. Não se explicitou quem seria responsável por qual custo.

baixe um kit de modelos de peticoes para usar na sua rotina juridica

Quanto a isto, alguns tribunais definiram, em alguns casos específicos que o pagamento destes seria por conta da empresa.

Por fim, o último questionamento em relação à lei do afastamento das gestantes se relaciona a falta de previsibilidade do fim da decisão. Ou seja, não ficou claro quando seria o momento de fim do afastamento das gestantes.

Apesar disso, alguns tribunais entenderam que o fim da situação de risco não era igual ao fim da quarentena. Então, ainda que alguns estados liberassem a população do isolamento social, o afastamento das gestantes se manteve.

O que muda na lei 14151 com a lei 14311/22?

Embora uma das principais dúvidas quanto à lei 14151 foi sobre quando a decisão se findaria, o projeto de lei 2.058/21 sanou as dúvidas.

Isso porque, o projeto de lei previa novas medidas de trabalho das gestantes e o retorno às atividades presenciais após a imunização. O projeto de lei foi sancionado no dia 8 de março deste ano, tornando-se a lei 14311/22.

A nova lei altera os seguintes trechos da lei anterior:

Art. 1º  Durante a emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do novo coronavírus, a empregada gestante deverá permanecer afastada das atividades de trabalho presencial, sem prejuízo de sua remuneração.

Parágrafo único. A empregada afastada nos termos do caput deste artigo ficará à disposição para exercer as atividades em seu domicílio, por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma de trabalho a distância.

Mudando a redação do primeiro parágrafo para:

Art. 1º Durante a emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do coronavírus SARS-CoV-2, a empregada gestante que ainda não tenha sido totalmente imunizada contra o referido agente infeccioso, de acordo com os critérios definidos pelo Ministério da Saúde e pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI), deverá permanecer afastada das atividades de trabalho presencial.

Ademais, a nova lei acrescenta alguns parágrafos e incisos, vejamos quais foram e o que estes dispõe!

Sobre o teletrabalho

§ 1º A empregada gestante afastada nos termos do caput deste artigo ficará à disposição do empregador para exercer as atividades em seu domicílio, por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma de trabalho a distância, sem prejuízo de sua remuneração.

Sobre mudanças de atividades

§ 2º Para o fim de compatibilizar as atividades desenvolvidas pela empregada gestante na forma do § 1º deste artigo, o empregador poderá, respeitadas as competências para o desempenho do trabalho e as condições pessoais da gestante para o seu exercício, alterar as funções por ela exercidas, sem prejuízo de sua remuneração integral e assegurada a retomada da função anteriormente exercida, quando retornar ao trabalho presencial.

Sobre o retorno às atividades presenciais

A lei 14151 dispunha apenas que as gestantes deviam ficar afastadas “durante a emergência de saúde pública de importância nacional”, sem dispor, portanto, uma data exata para o retorno das atividades presenciais. 

Por essa razão, a nova lei inclui mais algumas disposições sobre o retorno presencial:

§ 3º Salvo se o empregador optar por manter o exercício das suas atividades nos termos do § 1º deste artigo, a empregada gestante deverá retornar à atividade presencial nas seguintes hipóteses:

I – após o encerramento do estado de emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do coronavírus SARS-CoV-2;

II – após sua vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2, a partir do dia em que o Ministério da Saúde considerar completa a imunização;

III – mediante o exercício de legítima opção individual pela não vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2 que lhe tiver sido disponibilizada, conforme o calendário divulgado pela autoridade de saúde e mediante o termo de responsabilidade de que trata o § 6º deste artigo;

O inciso IV e os parágrafos 4 e 5 foram vetados.

Sobre o retorno presencial de gestantes não vacinadas

A nova lei também altera as regras para o retorno presencial para gestantes não vacinadas. A situação não estava prevista  na lei 14151.

§ 6º Na hipótese de que trata o inciso III do § 3º deste artigo, a empregada gestante deverá assinar termo de responsabilidade e de livre consentimento para exercício do trabalho presencial, comprometendo-se a cumprir todas as medidas preventivas adotadas pelo empregador.

§ 7º O exercício da opção a que se refere o inciso III do § 3º deste artigo é uma expressão do direito fundamental da liberdade de autodeterminação individual, e não poderá ser imposta à gestante que fizer a escolha pela não vacinação qualquer restrição de direitos em razão dela.

Pontos rejeitados na nova legislação

O plenário vetou todas as tentativas de mudança de texto da nova lei, substituta da lei 14151. Foram eles:

  1. O destaque do PCdoB que pretendia manter a regra de afastamento;
  2. Destaque do PT com mesmo objetivo;
  3. Destaque do PT que pretendia manter as gestantes com comorbidades afastadas do trabalho presencial;
  4. O destaque do Psol que pretendia manter afastadas gestantes sem quadro completo de vacinação;
  5. Destaque do PSB que visava excluir a opção de não vacinação como expressão do Direito fundamental da liberdade individual;
  6. E por fim, um último destaque do PT que buscava garantir que o retorno ao trabalho presencial de lactantes durante a pandemia seguiria os critérios exigidos pelo ministério da saúde.

Em resumo, então, definiu-se, efetivamente o retorno presencial das gestantes, vacinadas ou não, a partir do mês de março.

Quer ficar por dentro de todos os destaques do mundo jurídico?  Faça seu cadastro e receba as novidades em seu e-mail.

Use as estrelas para avaliar

Média 0 / 5. 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário