Lei rouanet 2023: o que é e quais alterações estão previstas?

08/03/2023
 / 
13/03/2023
 / 
11 minutos

Recentemente, uma polêmica tomou conta das redes sociais: a atriz Claudia Raia, teria recebido 5 milhões de reais pela Lei Rouanet. A lei, conhecida pelo nome do ministro da cultura à época de sua aprovação, é a lei de incentivo à cultura e já vem causando polêmicas e discordâncias há algum tempo.

Mas, de que se trata essa lei? Como ela funciona? E quais alterações o governo sugere para os próximos anos? É isso que vamos responder aqui.

Navegue por este conteúdo:

O que é a Lei Rouanet?

A Lei 8.313/91, publicada no governo do ex presidente Fernando Collor, foi criada com intuito de incentivar a cultura no país.

A Constituição Federal de 1988 dispõe que é responsabilidade do governo:

Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais

Dessa forma, a Lei Rouanet é um instrumento para fazer-se cumprir os deveres governamentais relacionados a cultura e arte, dispostos na constituição. Assim, facilita-se o acesso a shows, espetáculos, teatros, cinema, exposições, etc.

Como funciona a Lei 8.313/91?

A Lei rouanet define que, para haver o incentivo à cultura, deve-se haver facilitações. Assim, ela funciona da seguinte maneira: o governo federal permite que pessoas físicas e jurídicas destinem parte do valor que iria para o imposto de renda, para expressões culturais.

Para que isso possa acontecer, no entanto, existem algumas etapas.

1 – Apresentação da proposta

Em primeiro lugar, temos a etapa da apresentação da proposta. O organizador da manifestação cultural deve elaborar uma proposta para ser contemplado pela lei rouanet. Nesta, ele deve expor quais as vantagens daquela manifestação para a sociedade, do que se trata a obra, como ocorre, valores necessários para acontecer, etc. Então, ele deve inscrever o projeto no site do Sistema de Apoio às Leis de Incentivo a Cultura (SALIC).

2 – Aprovação dos critérios pelo ministério da cultura

Inscrições feitas, o ministério da cultura fica responsável por avaliá-los segundo os critérios estabelecidos na Lei 8313/91. Se atenderem a eles, o projeto recebe autorização para a captação de recursos, a partir da publicação no diário oficial da união. Durante o Governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, a aprovação dos projetos da lei rouanet era responsabilidade era do ministério da cidadania, uma vez que, o ministério da cultura foi extinto durante seu mandato.

3 – Parecer de especialista

O projeto, no entanto, ainda precisa receber um parecer de um especialista da área cultural do projeto. O parecer é enviado, então, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que irá homologar o projeto.

4 – Aprovação final

Por fim, a última aprovação fica a cargo do ministro da cultura – ou ministro da cidadania, no governo anterior – que acompanha a decisão do órgão consultivo.

5 – Busca por apoiadores

Projeto aprovado, é hora de conseguir a captação. É nesse momento que o responsável pelo projeto fará o contato com pessoas físicas e jurídicas que desejam ser apoiadoras do projeto. Os apoiadores podem destinar parte do valor que seria pago em seu imposto de renda para o apoio do projeto, ou seja, o recurso para apoio do projeto não sai diretamente dos cofres públicos.

Abra sua conta no Projuris ADV

Vale lembrar: pessoas físicas podem destinar para a lei até 6% do valor do IR, enquanto pessoas jurídicas podem destinar até 4%.

6 – Execução do projeto

Pela Lei rouanet, quando o projeto conseguir captar pelo menos 20% do valor necessário para o projeto na totalidade, o mesmo pode começar a ser executado. Nesse momento, os organizadores do projeto começam a fazer contato com fornecedores, artistas, entre outros que irão possibilitar a execução da proposta. Ademais, essa parte envolve a realização do projeto em si, isto é, a impressão de livros, realização da apresentação teatral, o show, etc.

7 – Prestação de contas

Por fim, a última etapa do projeto é a prestação de contas, ou seja, a comprovação de que o valor solicitado pela Lei rouanet foi utilizado para o que foi apontado na proposta. É importante lembrar que esta prestação de contas deve ser detalhada com onde e para que os recursos foram utilizados, como os objetivos e resultados foram alcançados, pessoas atingidas e como o projeto ajudou socialmente, já que isto é um dos requisitos da Lei.

Quem tem direito a Lei rouanet?

Em relação à dedução de imposto de renda(IR), qualquer pessoa física ou jurídica tem direito de se beneficiar da lei rouanet. Isso porque, como já anteriormente exposto, pessoas jurídicas podem deduzir até 4% do valor de seu imposto de renda, quando destina recursos a projetos culturais contemplados pela lei. Já pessoas físicas podem deduzir até 6% do valor do IR.

Quando falamos em projeto, também, qualquer pessoa, física ou jurídica pode ser contemplada pela lei, desde que, apresente um projeto artístico-cultural para ser contemplado por ela.

Mudanças na Lei rouanet durante o governo Bolsonaro

Diferente do que muitos pensam, durante o governo do ex-presidente, Jair Bolsonaro, que durou de 2019 até 2022, a Lei rouanet não acabou. Entretanto, o então presidente, aprovou algumas alterações na mesma. Essas alterações tiveram tanto elogios, como críticas, por diferentes parte da sociedade.

baixe um kit de modelos de peticoes para usar na sua rotina juridica

Aqui, não temos objetivo de apresentá-las, portanto, você confere apenas quais foram as alterações a seguir:

Redução na captação dos projetos culturais

Anteriormente, um mesmo projeto tinha permissão de captar até R$60 milhões para ser realizado. Com a mudança na Lei rouanet feita em 2019, os projetos passam a ter permissão de captação de apenas R$1 milhão.

Vale lembrar, porém, que os projetos de museus e conservação, ou construção e implantação de equipamentos culturais não estão nessa regra.

Acesso a produções culturais

Anteriormente, todo projeto cultural que não tivesse caráter gratuito, deveria cobrar até 20% dos ingressos por no máxima R$ 75,00. Atualmente, apenas 10% dos ingressos não podem custar mais de R$50,00.

Além disso, anteriormente, 10% do total de ingressos devia ser destinado à distribuição, ou seja, deviam ser ingressos gratuitos. Com a regra de 2019 esse valor passa a ser de 20% a 40% do total de ingressos.

Projetos polêmicos da Lei de incentivo à cultura

A popularmente chamada Lei rouanet, ou Lei de incentivo à cultura (seu nome original) é um tema um tanto polêmico. Principalmente nos últimos anos, passou-se a discutir vários aspectos da Lei e até mesmo, duvidar da sua necessidade.

Essas dúvidas, no entanto, surgem após algumas polêmicas envolvendo certos projetos contemplados por ela.

Um dos alvos de polêmicas referentes à Lei 8.313/91 é o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS-RJ). Sendo o projeto com maior captação de recursos da Lei rouanet, o projeto que havia captado 70 milhões pela Lei, deveria já ter alocado R$ 36,3 milhões para a construção e hoje, deveria ter sido recalculado pela inflação.

Acontece que, o recalculo não foi realizado e o projeto já está em atraso tem 10 anos. O museu conseguiu um novo prazo e deve ter sua reforma finalizada ainda no primeiro semestre desse ano. Vale lembrar que, o prazo já havia sido estendido para 2020.

Outro projeto polêmico em relação à Lei rouanet foi o do blog de poesias da cantora Maria Bethânia. O blog havia sido autorizado a captar R$1,35 milhão pela Lei rouanet. Entretanto, com a repercussão negativa do caso, o projeto acabou sendo cancelado.

Um último caso polêmico envolvendo a Lei de incentivo à cultura é o do filme “Chatô – o rei do Brasil”, obra inspirada no Livro homônimo do jornalista Fernando de Moraes, que conta a história de Assis Chateaubriand. Isso porque, o produtor da obra não cumpriu com um dos pilares da Lei que é a prestação de contas da obra ao ministério da cultura. O produtor foi condenado a pagar mais de R$80 milhões.

O caso de Claudia Raia na Lei rouanet

Recentemente, o caso da Atriz Claudia Raia repercutiu nas redes. Isso porque, a atriz foi autorizada a captar recursos pela Lei rouanet. O que causou maior polêmica, no entanto, foi o alto valor solicitado para destinação ao projeto.

A Lei rouanet, que teve R$1bilhão desbloqueados para incentivo a cultura, autorizou que a atriz captasse R$5 milhões para dois projeto teatrais das quais a atriz participará.

Apesar disso, nas redes sociais circulou-se a matéria de que a atriz teria captado esse valor para si. Isso, no entanto, trata-se de uma notícia falsa. A atriz não captou esse valor pela Lei, mas sim, os projetos em que ela participará captaram, o que está dentro das normas de captação pela Lei 8313/91.

Assim, significa dizer que, o produtor destes projetos em que Claudia Raia participará, poderá buscar pessoas físicas e jurídicas que estejam dispostas a patrocinar o projeto e deduzir este patrocínio do IR. Vale lembrar que, é indispensável que o projeto tenha uma contrapartida social.

Das informações acerca da Lei rouanet nas redes sociais, esta não é a única incorreta. A seguir veremos alguns dos mitos mais comentados sobre a Lei de incentivo à cultura.

Mitos sobre a Lei rouanet

Um dos principais mitos acerca da Lei rouanet é que a mesma retira o dinheiro público, que poderia ser investido em saúde, educação e segurança, para o investimento em cultura. Como já explicado, a Lei na realidade, apenas permite que pessoas físicas e jurídicas que desejem patrocinar projetos culturais tenham uma porcentagem do imposto de renda deduzido.

Ademais, o investimento cultural é importante, não só para o desenvolvimento cultural do país, como também, para criação de empregos, geração de renda e, por consequência, fazer a economia girar. Vale destacar que não é apenas o Brasil que possui Leis de incentivo à cultura, mas diversos países desenvolvidos também possuem legislação nesse sentido.

Além disso, outro mito comumente disseminado é que apenas para a cultura existe uma lei de incentivo. Essa afirmação, no entanto, é errônea. No Brasil temos leis de incentivo ao esporte, ao audiovisual, a Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras, entre outras.

Um último mito é em relação à quais projetos são contemplados pela Lei rouanet. Tanto de um lado, quanto de outro, existem críticas e apontamentos dizendo que o ministério da cultura (ou da cidadania) teria sido parcial na escolha dos projetos, beneficiando projetos cujos organizadores apoiam o governo do período. Acontece que isso não é verdade, uma vez que, os projetos passam pela análise de pessoas especializadas na área da cultura, tanto do ministério, quanto de especialistas “de fora”.

Nova Lei rouanet: o governo atual fará alguma alteração na Lei 8.313/91?

Segundo a atual ministra da cultura, Margareth Menezes, o governo federal vem preparando uma nova pauta para alterações na Lei rouanet. A ministra fez o anúncio em um festival de música que aconteceu no dia 28 de janeiro, em Salvador, na Bahia.

Apesar disso, a ministra não deu detalhes do que seria alterado e do que se está pensando para a pauta da cultura.

Entretanto, sabe-se que a ideia é que a proposta para a “nova Lei rouanet” realize uma unificação no sistema de inscrição das leis Rouanet, Paulo Gustavo e Aldir Blanc.

A Lei Paulo Gustavo trata-se da lei que destina R$ 3,9 bilhões para projetos culturais que sofreram com os danos da Pandemia da Covid-19 de 2020 a 2022. Já a Lei Aldir Blanc é a que prevê a liberação de R$3 bilhões por ano para incentivo à cultura.

Além disso, a ministra da cultura já falou em entrevistas que deseja descentralizar os recursos da Lei de incentivo à cultura para outras regiões do país, incentivando, assim, a diversidade cultural e regional.

Conclusão

É fato que a Lei rouanet foi alvo de muitas críticas e polêmicas, especialmente ligadas à corrupção. Entretanto, é inegável a importância da mesma para a construção e consolidação cultural do país, bem como o acesso à cultura.

Perguntas frequentes sobre a Lei Rouanet:

O que é a Lei rouanet e como funciona?

A Lei rouanet é uma lei de incentivo à cultura no país. Funciona a partir da dedução de imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas que optarem por patrocionar projetos culturais. A Lei serve, então, para que se tenha um controle de que projetos podem ser contemplados dentro desse patrocínio, a fim de que, apenas projetos culturais com retorno social tenham esse benefício.

Quem pode se beneficiar da Lei rouanet?

Podem se beneficiar da Lei rouanet projetos culturais e artísticos que tragam retornos para a sociedade e também pessoas físicas e jurídicas que contribuem, por meio da dedução de imposto de renda, para esses projetos artístico-culturais.

Para que foi criada a Lei rouanet?

A Lei rouanet foi criada com intuito de incentivar a produção e o consumo e projetos culturais, ou seja, com objetivo de incentivo cultural na sociedade brasileira.

Use as estrelas para avaliar

Média 5 / 5. 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

  1. Avatar photo

    Infelizmente, penso eu, muitos dos eventuais beneficiários da Lei Rouanet não conhecem ou não leem sobre a mesma, causando atropelos e falatórios movidos por ideologias que se opõem.
    O artigo do Sr. Tiago Fachini, acima publicado, tem o mérito de explicar o sentido da lei para um país onde a cultura ainda é vista como mercadoria de segunda classe. Parabéns!

  2. Avatar photo

    Parabéns Thiago. Belo texto explicativo.
    Nota-se que é um dispositivo legal, e que gera riqueza para comunidade onde é investido. Parabéns pelo texto.

  3. Avatar photo
  4. Avatar photo

    1-Qual vantagem tem a empresa que contribuiu com a captação de recursos ?
    2- a empresa ou PF simplesmente deixar de repassar para o IR o valor do recurso enviado para o projeto ou ela tem mais algum benefício ?
    3- se a empresa não leva nenhuma vantagem, ela está somente substituindo o dever dos órgãos públicos na distribuição desses valores ?

  5. Avatar photo
  6. Avatar photo

    O Grande e inequívoco propósito de uma Lei, será dar cumprimento ao que a mesma estabelece como prioridade, nesse caso, apoio aos iniciantes. Porém, não é isso que acontece e os pequenos jamais terão atendidas as suas pretensões. Em primeiro lugar, as informações são dúbias e os Órgãos responsáveis para tanto, não empregam quaisquer esforços quanto a divulgação das formas, de como agir. Quem tenta dar corpo a uma obra, padece com a falta de incentivos, muitos vezes, valores mínimos, para logo mais se sobressaltar com os altíssimos valores despendidos a quem tem nome público e fama. A estes a lei 8.313/91, se faz propícia e quase sempre presente. Que Jesus dê serenidade aos homens e os faça pensar melhor!