Prazos peremptórios: o que é e como são contados?

16/08/2023
 / 
16/08/2023
 / 
10 minutos

Não é novidade que no mundo jurídico, preza-se pela celeridade e fluidez em processos, por isso, existem os prazos peremptórios. Assim, assegura-se o cumprimento das solicitações jurídicas e evita-se a inércia do processo.

Entender os prazos peremptórios é essencial para advogados, especialmente com a mudança trazida pelo Código de Processo Civil (CPC) de 2015, afinal, a falta de informações sobre eles pode trazer diversos problemas para o dia a dia no escritório de advocacia.

Por isso, elaboramos este artigo que visa esclarecer todas as dúvidas acerca dos prazos peremptórios. Continue a leitura para saber mais!

O que são prazos peremptórios?

Prazos peremptórios são aqueles que não podem ser alterados, ou seja, possuem obrigatoriedade de cumprimento e são determinados por lei. Sua função é, então, regular o tempo em que as ações judiciais devem ocorrer.

Por terem maior rigidez, são mais sensíveis aos advogados, afinal, caso um prazo peremptório seja perdido, perde-se também a faculdade de praticar o ato.

Diferentemente, dos prazos dilatórios. Vejamos rapidamente sobre eles a seguir!

O que são prazos dilatórios?

Como dito, então, o que difere os prazos peremptórios dos prazos dilatórios é que, o segundo, pode ser alterado com mais facilidade, ainda que determinado em lei.

Nesse caso, vale o disposto no art. 139 do Novo CPC:

Art. 139. O juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código, incumbindo-lhe:

[…]

VI – dilatar os prazos processuais e alterar a ordem de produção dos meios de prova, adequando-os às necessidades do conflito de modo a conferir maior efetividade à tutela do direito;

[…]

Além disso, também podem ser alterados por acordo das partes, com a autorização do juiz.

Isso ocorre porque, os prazos dilatórios dizem respeito ao interesse das partes. Um exemplo muito comum nesses casos é o da suspensão do processo.

baixe a planilha de honorários e saiba quanto cobrar em todos os estados do Brasil

O que mudou no novo CPC sobre os prazos peremptórios?

O CPC de 2015 trouxe mudanças significativas no que diz respeito aos prazos peremptórios, isso porque, o novo código passou a permitir alteração de prazos em algumas situações. São elas:

  • Caso o processo esteja tramitando em comarcas de difícil transporte;
  • Em casos de calamidade pública;
  • Quando ocorre evento alheio à vontade da parte que a impeça – ou a mandatário – de praticar o ato;
  • Para conferir efetividade à tutela do direito, por meio da adequação de prazos;

Logo, dispõe assim o CPC nos art. 222º:

Art. 222. Na comarca, seção ou subseção judiciária onde for difícil o transporte, o juiz poderá prorrogar os prazos por até 2 (dois) meses.

§ 1º Ao juiz é vedado reduzir prazos peremptórios sem anuência das partes.

§ 2º Havendo calamidade pública, o limite previsto no caput para prorrogação de prazos poderá ser excedido.

Art 223º:

baixe uma planilha de timesheet e faça o controle a carga horária da sua equipe

 Art. 223. Decorrido o prazo, extingue-se o direito de praticar ou de emendar o ato processual, independentemente de declaração judicial, ficando assegurado, porém, à parte provar que não o realizou por justa causa.

§ 1º Considera-se justa causa o evento alheio à vontade da parte e que a impediu de praticar o ato por si ou por mandatário.

§ 2º Verificada a justa causa, o juiz permitirá à parte a prática do ato no prazo que lhe assinar.

E o disposto no art. 139 do Novo CPC, assim como nos prazos dilatórios.

Segundo os doutrinadores, então, os prazos peremptórios deixam de existir no CPC 15.

O que são prazos peremptórios

Qual a diferença entre prazos peremptórios e prazos dilatórios no Novo CPC?

Para resumir as diferenças entre prazos peremptórios e dilatórios no novo CPC:

O prazo peremptório pode ser alterado, mas com condições. O prazo dilatório pode ser alterado conforme a vontade das partes e do juiz.

Sobre as condições de alteração de prazo, temos que:

  • Prazos peremptórios: Caso o processo esteja tramitando em comarcas de difícil transporte; Em casos de calamidade pública; Quando ocorre evento alheio à vontade da parte que a impeça – ou a mandatário – de praticar o ato; Para conferir efetividade à tutela do direito, por meio da adequação de prazos;
  • Prazos dilatórios: Não há condições específicas; Pode ser alterado pelo juiz ou por vontade das partes com autorização do juiz.

Exemplos de prazos peremptórios x prazos dilatórios no CPC/15:

Os prazos peremptórios podem ser para recorrer, contestar, oferecer reconvenção, entre outros. Enquanto os prazos dilatórios podem ser utilizados para juntar documentos, arrolar testemunhas, realizar diligências, suspensão do processo, etc.

Prazos dos litisconsortes

Além dos prazos dilatórios e peremptórios, para ter um entendimento maior da lei, é importante saber também acerca dos prazos dos litisconsortes.

Segundo o art. 229 do CPC, os litisconsortes terão os prazos de suas manifestações contados em dobro, em qualquer juízo ou tribunal, especialmente os que possuírem diferentes procuradores atuando em diferentes escritórios.

Vale lembrar que isso não se aplica a autos eletrônicos, uma vez que nesses, não há retiradas dos autos nos cartórios.

Assim, em casos em que existem apenas 2 réus, com somente um deles oferecendo defesa, há a perda de prerrogativa.

Negociação de prazos processuais

A negociação de prazos processuais precisa seguir algumas condições, uma delas é observância dos princípios da boa-fé, eticidade e outras. Além disso, o CPC dispõe também sobre mais três em seu art. 190º:

Art. 190. Versando o processo sobre direitos que admitam autocomposição, é lícito às partes plenamente capazes estipular mudanças no procedimento para ajustá-lo às especificidades da causa e convencionar sobre os seus ônus, poderes, faculdades e deveres processuais, antes ou durante o processo.

Parágrafo único. De ofício ou a requerimento, o juiz controlará a validade das convenções previstas neste artigo, recusando-lhes aplicação somente nos casos de nulidade ou de inserção abusiva em contrato de adesão ou em que alguma parte se encontre em manifesta situação de vulnerabilidade.

Dessa forma, a negociação dos prazos deve ocorrer em causas que comportem autocomposição, ou seja, a prestação de um direito pode ser feito por meio da negociação ou conciliação. Assim, os prazos podem ser estipulados se o direito material objeto da pretensão for disponível.

Ademais, a negociação dos prazos também se dá mediante validação do juiz e, caso não haja nulidade ou uma das partes apresente condição de vulnerabilidade.

Prazos peremptórios no CPP

É importante entender também os prazos peremptórios no Código de Processo Penal (CPP). Diferentemente do CPC, no CPP não houve alteração. Por se tratar de direitos indisponíveis, no CPP todos os prazos são peremptórios.

O Código de Processo Penal dispõe, então:

Art. 798.  Todos os prazos correrão em cartório e serão contínuos e peremptórios, não se interrompendo por férias, domingo ou dia feriado.

§ 1o  Não se computará no prazo o dia do começo, incluindo-se, porém, o do vencimento.

§ 2o  A terminação dos prazos será certificada nos autos pelo escrivão; será, porém, considerado findo o prazo, ainda que omitida aquela formalidade, se feita a prova do dia em que começou a correr.

§ 3o  O prazo que terminar em domingo ou dia feriado considerar-se-á prorrogado até o dia útil imediato.

§ 4o  Não correrão os prazos, se houver impedimento do juiz, força maior, ou obstáculo judicial oposto pela parte contrária.

§ 5o  Salvo os casos expressos, os prazos correrão:

a) da intimação;

b) da audiência ou sessão em que for proferida a decisão, se a ela estiver presente a parte;

c) do dia em que a parte manifestar nos autos ciência inequívoca da sentença ou despacho

A única exceção a essa regra está disposta no art. 160º do CPP, que dispõe:

Art. 160. Os peritos elaborarão o laudo pericial, onde descreverão minuciosamente o que examinarem, e responderão aos quesitos formulados. (Redação dada pela Lei nº 8.862, de 28.3.1994)

Parágrafo único. O laudo pericial será elaborado no prazo máximo de 10 dias, podendo este prazo ser prorrogado, em casos excepcionais, a requerimento dos peritos.(Redação dada pela Lei nº 8.862, de 28.3.1994)

Isso sem contar que, segundo o art. 798-A do CPP dispõe da suspensão de prazos durante o recesso forense:

Art. 798-A. Suspende-se o curso do prazo processual nos dias compreendidos entre 20 de dezembro e 20 de janeiro, inclusive, salvo nos seguintes casos:      (Incluído pela Lei nº 14.365, de 2022)

I – que envolvam réus presos, nos processos vinculados a essas prisões;        (Incluído pela Lei nº 14.365, de 2022)

II – nos procedimentos regidos pela Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha);        (Incluído pela Lei nº 14.365, de 2022)

III – nas medidas consideradas urgentes, mediante despacho fundamentado do juízo competente.       (Incluído pela Lei nº 14.365, de 2022)

Parágrafo único. Durante o período a que se refere o caput deste artigo, fica vedada a realização de audiências e de sessões de julgamento, salvo nas hipóteses dos incisos I, II e III do caput deste artigo.    (Incluído pela Lei nº 14.365, de 2022)

Como contar prazos peremptórios

Perder um prazo, especialmente quando falamos de prazos peremptórios, significa também perder a validade para prático do ato processual. Logo, é importante saber como fazer a contagem de prazos corretamente, considerando, inclusive, os feriados, mudanças de expediente, etc.

Assim, é importante possuir ferramentas que auxiliem na contagem correta dos prazos, para evitar a perda destes. Para isso, acesse a calculadora de prazos do Projuris ADV.

Exemplos práticos

Alguns exemplos de prazos peremptórios são:

  • Prazo de contestação: no caso da contestação, o réu tem direito a apresentar a defesa por meio de petição inicial em prazo de 15 dias;
  • Prazo de reconvenção: É a maneira que possibilita que o réu apresente alegações e pedidos dentro do processo;
  • Recurso de apelação: maneira de interpor sentenças aplicadas.

No caso do último, é importante que você, advogado ou advogada estejam atentos a esta última, afinal, outro recurso pode ser necessário.

Conclusão

Resumindo então, o CPC alterou a regra de prazos peremptórios e, a depender da condição, estes passaram a ser dilatórios.

Já no CPP não houve alteração, e, portanto, no Direito brasileiro, os prazos peremptórios seguem existindo.

Gostou do conteúdo? Leia também:

Perguntas frequentes

O que são prazos peremptórios?

Prazos peremptórios são aqueles determinados por lei e que não podem ser alterados. Por essa razão, possuem obrigatoriedade de cumprimento e servem para conferir celeridade aos processos.

Quais são os prazos dilatórios?

São os prazos processuais que possuem maior flexibilidade de alteração.

Quais são exemplos de prazos peremptórios?

Existem vários tipos de prazos peremptórios. Por exemplo, um recurso de apelação cujo prazo é de 15 dias para interposição, deve ocorrer neste período já determinado pela lei.

Use as estrelas para avaliar

Média 1 / 5. 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário