Esbulho possessório: o que é, tipos e requisitos

Existem situações em que um possuidor perde a posse que exercia sobre um imóvel, sem que tenha concordado com essa situação.

A esses casos, dá-se o nome de esbulho possessório, e podem ser resolvidos tanto na seara civil como na penal.

Diante disso, elaboramos este artigo sobre o esbulho, abarcando seus principais aspectos nos dois âmbitos jurídicos mencionados. Confira!

O que é esbulho possessório?

O esbulho possessório é um dos tipos de lesão possessória e é caracterizado pela perda da posse ou da propriedade de um determinado bem, através de violência, clandestinidade ou precariedade.

A posse, como se sabe, é o exercício, pleno ou não, de algum dos direitos da propriedade, quais sejam, usar, gozar, dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.

Destaca-se que, além do esbulho, também configuram lesões possessórias a turbação e a ameaça.

Esbulho possessório no Direito Civil

O esbulho possessório é um instituto previsto no Código Civil e no Código de Processo Civil. Para melhor compreendê-lo, abordaremos seus principais aspectos a seguir.

– Tipos de esbulho possessório

O esbulho é caracterizado pela perda da posse, seja pelo possuidor ou pelo proprietário. 

Desta forma, o esbulho possui diferentes tipos de materialização, podendo ser:

  • Através da invasão de uma propriedade;
  • Através da ocupação de um imóvel de forma indevida;
  • Através da obstrução da passagem de moradores;
  • Através da obstrução da passagem de funcionários para fins de exercerem suas funções profissionais;
  • Através da desapropriação indireta;
  • Quando ocorre a recusa na devolução do imóvel alugado ou emprestado.

Vale destacar que o esbulho também se aplica à posse de bens móveis. Assim, caso houvesse a recusa na devolução de um veículo alugado ou emprestado, por exemplo, também estaria caracterizada a perda da posse (esbulho).

– Diferença entre esbulho, turbação e ameaça

Como visto, são três tipos de lesões que podem ocorrer sobre a posse.

O esbulho, portanto, ocorre quando o possuidor ou proprietário perder, por violência ou clandestinidade, a posse exercida sobre um bem.

No caso da turbação, existe uma limitação sobre o poder de posse de alguém, ou seja, o detentor do bem não consegue exercer sua posse de maneira completa e tranquila.

Já no caso da ameaça, trata-se de uma demanda preventiva, pois o possuidor ou proprietário sofre uma ameaça de turbação ou esbulho sobre a posse que atualmente exerce, sem que tenha se concretizado ainda.

Planilha grátis para controle de processos

Baixe agora e pare de controlar seus processos com papéis e emails.

BAIXAR PLANILHA AGORA

– Características do esbulho possessório

O esbulho possessório possui algumas características que, conforme visto acima, diferem-no da turbação e da ameaça.

São elas:

  • A perda da posse;
  • A ocorrência de violência, clandestinidade ou precariedade.

A posse violenta é aquela obtida através do uso da força, seja ela coação física ou moral. 

Já a posse clandestina ocorre de forma sorrateira ou às escuras. Isso quer dizer que o possuidor ou o proprietário nem sempre tomam conhecimento dessa perda de forma imediata.

Por fim, a posse precária ocorre quando existe uma confiança prévia entre uma pessoa e o possuidor, e deixa de devolver o bem conforme combinado ou se nega a fazê-lo.

Assim, uma posse que não tenha sido retirada sob uma das condições acima não é considerada esbulho.

– Requisitos do esbulho possessório

Para que seja possível ingressar com a ação de reintegração de posse, é preciso comprovar alguns requisitos do esbulho, os quais estão previstos no art. 561 do Código de Processo Civil.

Art. 561. Incumbe ao autor provar:

I – a sua posse;

II – a turbação ou o esbulho praticado pelo réu;

III – a data da turbação ou do esbulho;

IV – a continuação da posse, embora turbada, na ação de manutenção, ou a perda da posse, na ação de reintegração.

Desta forma, cabe ao autor da ação comprovar que tinha a posse do bem, quando e de que forma a perdeu em decorrência de esbulho, demonstrando os atos praticados e qual a data dos mesmos.

– Qual é a ação do esbulho possessório

Para reaver a posse perdida por meio de esbulho possessório, a ação cabível é a reintegração de posse.

Essa ação terá cabimento sempre que a perda da posse ocorrer em decorrência de violência, clandestinidade ou precariedade.

A ação de reintegração de posse está respaldada nos arts. 560 a 566 do Código de Processo Civil.

Art. 560. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação e reintegrado em caso de esbulho.

Esbulho possessório no Direito Penal

O esbulho possessório também está previsto como uma conduta criminosa no Código Penal Brasileiro.

– Crime de esbulho possessório

O crime de esbulho possessório está previsto no art. 161 §1º, inciso II, do Código Penal, e possui definições específicas no parágrafo segundo e terceiro.

Art. 161, §1º:

II – invadir, com violência a pessoa ou grave ameaça, ou mediante concurso de mais de duas pessoas, terreno ou edifício alheio, para o fim de esbulho possessório.

§ 2º – Se o agente usa de violência, incorre também na pena a esta cominada.

§ 3º – Se a propriedade é particular, e não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa.

Assim, nota-se que o crime é caracterizado pela invasão a um imóvel (terreno ou edifício), e não a bens móveis.

– Pena do crime

A pena prevista pelo crime de esbulho possessório é a de detenção, de um a seis meses, e multa.

A detenção é uma pena menos rigorosa, aplicada normalmente a crimes mais leves, e é iniciada, em regra, no regime semi-aberto. 

Além disso, caberá ao réu o pagamento de uma multa fixada pelo juízo.

Qual o papel do advogado no esbulho possessório?

O advogado pode atuar de formas diferentes diante de um esbulho possessório: 

  • na ação de reintegração de posse, representando o autor ou o réu;
  • na ação penal privada do crime de esbulho possessório, como advogado do querelante ou do querelado.

Independentemente do caso, cabe ao profissional conhecer a legislação civil e penal referente ao esbulho.

Desta forma, poderá compreender não apenas o desenrolar processual da ação, como também entender quais são os requisitos que devem ser cumpridos para ajuizá-la e quais provas devem ser angariadas em cada situação.

Conclusão

Diante do exposto, nota-se que o esbulho possessório é um instituto jurídico que representa a perda de uma posse por meio de ações violentas, clandestinas ou precárias. 

Por conta disso, a situação pode ser analisada tanto sob um viés civil quanto penal.

Desta forma, é primordial que os advogados tenham conhecimento sobre a forma como o instituto é tratado nos diferentes âmbitos jurídicos.

Autor: Tiago Fachini

Siga o Tiago Fachini:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *