Seu departamento jurídico gerencia textos ou dados?

ProJuris Dicas, Empreendedorismo 0 Comments

A pergunta parece instigante, mas talvez você não consiga notar a diferença entre textos e dados, portanto a princípio não veria vantagem de uma em relação à outra. Cabe irmos logo ao exemplo prático para que você identifique no que seu departamento jurídico está despendendo energia atualmente.

Se o martelo e o prego são as ferramentas essenciais do trabalho de um carpinteiro, por exemplo, documentos são os instrumentos nucleares do trabalho do jurídico, sejam eles contratos, planilhas ou peças processuais. Documentos que têm basicamente duas funções: dizer como vai a saúde financeiro-jurídica da empresa e como vai a legitimidade dos acordos que a organização vêm firmando. E ao pensar nestes documentos, vamos nos deparar com o que chamaremos de texto – o conteúdo de uma peça, por exemplo, ou as informações de um contrato firmado com um escritório trabalhista terceirizado da Bahia. Tudo isso é informação, são as diretrizes de uma ação jurídica dentro da empresa. Em suma, tudo isto é texto.

Então retornamos à ideia do título: é assim que o jurídico da sua empresa faz atualmente? Não há nada de errado. O problema está mais relacionado ao tempo e à dificuldade de organizar o trabalho. O que não acontece quando o departamento jurídico transforma textos em dados estruturados através de um processo de inteligência artificial.

Neste momento, o trabalho humano é auxiliado pela tecnologia (um robô, neste caso). Em médias e grandes empresas, o número de peças por mês é grande. O robô tem a inteligibilidade de encontrar padrões de estrutura dentro destes documentos e a partir disso agrupá-los em categorias. Apesar de os textos serem diferentes, com demandas diferentes, escrito de maneiras diferentes, todos eles seguem uma lógica ao serem construídos – algumas vezes por diretrizes ou simplesmente por praticidade – que cabe ao robô desvendar.

Imagine 1.000 processos trabalhistas que sua empresa recebeu nos últimos três meses. Todos eles têm autores diferentes, mesmo assim todos possuem o campo autor. Todos eles têm valor de ações diferentes, e mesmo assim todos possuem um valor. O texto é diferente, mas a estrutura é a mesma. Com a inteligência artificial de um software jurídico, como o ProJuris ENTEPRRISE, é possível transformar tudo em dados estruturados e agrupá-los dentro. Desta forma, seu departamento poderá analisar os documentos de maneira estatística:

  • casos similares
  • advogado envolvidos
  • qual recorrência da comarca?
  • qual a performance?
  • qual tipo de demanda inicial?
  • qual o valor da ação?

Com este insumo, é possível tomar decisões mais ágeis, além de entender qual tipo de defesa tem mais eficácia por espécie de caso. Já falamos como o jurídico pode se tornar estratégico para uma empresa, sem dúvidas esta é uma maneira.

email
LEIA TAMBÉM  O WhatsApp é um canal adequado para advogar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *