Um software jurídico pode tornar meu negócio disruptivo?

Um software jurídico pode tornar meu negócio disruptivo?

Em 1995, o professor de administração da Harvard Business School, Clayton Christensen, cunhou pela primeira vez o termo ‘disrupção’ associado ao mundo dos negócios em seu artigo Disruptive Tecnhologie: Catching the wave. Dois anos depois, Christensen lança o livro Innovator’s Dilemma: When New Tecnhologias Cause Great Firms to Fail e crava, um aprimoramento do termo anterior, a expressão ‘inovação disruptiva’.

Muito conceitual a priori, ficando na esfera acadêmica e dos teóricos do negócio, a ‘disrupção’ no mercado foi criando sentido mais tarde, com o crescimento de empresas como a Apple, que em 2007 não apenas laçou o smartphone que seria o boom dos próximos anos do mercado tecnológico, mas ofereceu uma experiência de compra que ia desde o design do produto até o valor que a marca conquistou com um trabalho de branding impecável. Aconteceria, naquele momento, uma quebra na linha cronológica do produto, que levava o consumidor a enxergá-lo um patamar acima, uma disrupção.

É muito fácil enxergar estas grandes quebras/disrupções (Uber, Netflix) de mercado quando tratamos de tecnologia. Mas talvez fique difícil ter a mesma nitidez em relação ao Direito e ao mercado jurídico dos escritórios de advocacia. Então, para começar este exercício vale lembrar de um conteúdo publicado aqui na Universidade, onde defendemos que o advogado precisa começar a se enxergar como empreendedor, como participante ativo de uma dinâmica ativa – esta voltada ao universo jurídico – de concorrência e competitividade. Expomos, no texto, os benefícios do quanto admitir isto pode trazer à saúde do negócio – que este ano já ganhou dimensão de mais de 1 milhão de cenários.

cta software jurídico ebook inadimplência para advogados

Os profissionais mais fanáticos por inovação também precisam tomar cuidado para não atropelar a estrutura erguida em séculos do Direito. O que temos até então é uma configuração comprometida com os valores da profissão, mas mesmo assim uma configuração que tem, apesar de tudo, espaço para inovação, principalmente nos processos do dia-a-dia. Enquanto o “o que fazer” parece intocável, o “como fazer” ainda pode evoluir – e muito.

E é nesse contexto que a resposta para pergunta do título é sim, um software jurídico pode tornar seu escritório de advocacia um negócio disruptivo. O sistema não é um produto com uma função objetiva (como o martelo é, servindo apenas para bater no prego), mas ele muda a relação que os profissionais têm com o tempo, com o mercado e com a própria equipe. Com ele é possível:

É como, em uma analogia um pouco exagerada, se a revolução industrial chegasse no universo do Direito, aprimorando processos, diminuindo as chances de erros e ganhando produtividade. Portanto, podemos considerar um software jurídico um acontecimento disruptivo para o mercado jurídico e, por que não?, um diferencial competitivo. Afinal, um negócio com um software juridico tem vantagem qualitativa no seu trabalho sobre um que não tem.

cta software jurídico projuris

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *