Aditivo de contrato: um guia completo para empresas

06/06/2024
 / 
06/06/2024
 / 
10 minutos

Ao renovar ou mesmo alterar cláusulas é necessário um aditivo de contrato. Este instrumento permite adicionar informações ou modificar uma parte do contrato original, seguindo as regras gerais de contratos do código civil e sem invalidar o contrato original. Sempre feito em comum acordo entre as partes.

Neste artigo vamos tratar sobre o que é um aditivo contratual, como criar o seu, quais as situações ele pode ser usado e cuidados na gestão de aditivos.

Siga a leitura.

O que é um aditivo de contrato?

Um termo aditivo a um contrato é um documento criado e assinado pelas partes para adicionar ou suprimir cláusulas de um contrato original, pode, ainda, modificar uma cláusula existente. Ele serve para melhor atender às necessidades dos contratantes e contratos sem que seja feita uma nova minuta.

Todas as regras do contrato original seguem valendo para o aditivo de contrato, este torna-se parte integrante do contrato e deve ser considerado como tal. Por meio dele, as partes podem negociar e formalizar um novo negócio.

Modelo de aditivo de contrato

ADITIVO AO CONTRATO

Pelo presente instrumento particular, as partes:

[Nome da Parte 1], com sede em [endereço completo], inscrita no CNPJ sob o nº [número do CNPJ], neste ato representada por [nome e cargo do representante], e [Nome da Parte 2], com sede em [endereço completo], inscrita no CNPJ sob o nº [número do CNPJ], neste ato representada por [nome e cargo do representante],

Resolvem aditar o Contrato nº [número do contrato original], firmado em [data do contrato original], mediante as seguintes cláusulas e condições:

Cláusula 1ª – Do Objeto do Aditivo

O presente aditivo tem por objeto [descrever detalhadamente o objeto da adição ao contrato].

Cláusula 2ª – Da Alteração

baixe um ebook e tire todas as suas duvidas sobre os contratos eletronicos

Fica alterado o contrato original para incluir as seguintes disposições: [Descrever as alterações ou adições, especificando cada uma em detalhes. Por exemplo:

  1. A Cláusula [número] do contrato original passa a vigorar com a seguinte redação:
    [Nova redação da cláusula]
  2. Fica acrescida a Cláusula [número] ao contrato original, com a seguinte redação:
    [Redação da nova cláusula]
  3. …]

Cláusula 3ª – Da Vigência

O presente aditivo entra em vigor na data de sua assinatura, permanecendo inalteradas as demais cláusulas do contrato original que não contrariem o disposto neste aditivo.

Cláusula 4ª – Das Disposições Gerais

Ratificam-se, em todos os seus termos e condições, as demais cláusulas do contrato original que não foram expressamente alteradas por este aditivo.

E por estarem assim justas e acordadas, as partes assinam o presente instrumento em [número] vias de igual teor e forma, na presença de duas testemunhas. [Local], [Data]. [Nome e cargo do representante da Parte 1] [Nome e cargo do representante da Parte 2]

Testemunhas:

Nome:
CPF:

Nome:
CPF:

O que fala a lei sobre termos aditivos

Tanto no código civil como em outras leis adicionais de contratos, não há uma regra específica para os aditivos contratuais. Contudo, devem acompanhar a regulação do contrato principal, já que são um instrumento de alteração do contrato e não uma minuta a parte. A título de exemplo: um aditivo a um contrato de compra e venda será regido pelo capítulo I Da compra e da venda do CC/02, isto é pelos artigos 481 ao art. 532.

Em todo caso, na escrita do aditivo considere as regras gerais do código civil que regulam qualquer tipo de contrato, entre elas:

  • Respeito à função social do contrato;
  • Contratos paritários e simétricos;
  • Contratantes deverão guardar os princípios de probidade e boa-fé.

Portanto, não basta escrever qualquer mudança querida, ela precisa respeitar as regras gerais dos contratos no CC/02 e as definições dadas no contrato anteriormente firmado. Por fim, deve ser por vontade e escolha de ambas as partes, declarada a partir da assinatura do termo.

Para entender mais a fundo, selecionamos um caso de litigio envolvendo um pedido de anulação do aditivo de contrato e sua respectiva jurisprudência.

Pedido de anulação de aditivo contratual de reajuste de salário

ADITIVO CONTRATUAL. TERCEIRO. BOA-FÉ. TEORIA. APARÊNCIA.
Noticiam os autos que fora celebrado contrato de prestação de serviços para fornecimento de mão de
obra com a empresa ré (recorrente) em janeiro de 1993. No entanto, em junho de 1995, os
contratantes alteraram, em aditivo contratual, a cláusula de reajuste dos salários dos empregados mantidos pela autora, de modo a acompanhar os aumentos concedidos aos seus próprios funcionários. Como houve o inadimplemento da empresa ré, sobreveio a ação de cobrança em que busca a autora (recorrida) o recebimento da diferença decorrente do aditivo contratual, a qual, à época do ajuizamento da ação (fevereiro de 1999), alcançava o valor de mais de R$ 300 mil. O TJ manteve a sentença de procedência, rejeitando a tese da ora recorrente de que o aditivo contratual foi assinado por funcionário que não detinha poderes para tanto e afirmou, ainda, que não houve qualquer ato de má-fé da empresa autora. Segundo o Min. Relator, a controvérsia no REsp consiste em analisar se é válido o aditivo contratual – que é acessório e apenas estabeleceu nova forma de reajuste do contrato original – celebrado pelo então gerente de suprimentos da empresa recorrente, que não detinha poderes conferidos pelo estatuto para assiná-lo. Para o Min. Relator, o aditivo poderia ter sido
celebrado pela sociedade empresarial recorrente, por se tratar de ato consentâneo com seu objeto
social (Lei n. 6.404/1976, arts. 138, § 1º, 139 e 144, parágrafo único). Assim, afirma que, se o aditivo
contratual impugnado não se mostra desconexo com a especialização estatutária da sociedade
empresarial recorrente, nesse particular, não há nulidade a ser declarada
. Também assevera que a
recorrente nem poderia alegar que os estatutos sociais encontram-se publicados e que, por esse
motivo, terceiros não poderiam alegar desconhecê-los, visto que tal exigência vai de encontro à
essência da dinâmica do Direito Comercial, que repele formalismos acerbados, mas impõe proteção ao
terceiro de boa-fé que celebra negócio jurídico. Destaca que, no caso dos autos, o acórdão recorrido
consignou ser cabível a teoria da aparência, visto que o gerente de suprimentos apresentava a aparência de poder, ostentando a terceiros que era o representante da empresa. Sendo assim, conclui
o Min. Relator que o fato de o subscritor do aditivo não possuir poderes estatutários para tanto
sucumbe diante da circunstância de a sociedade empresária permitir que representante putativo se
comportasse como se estivesse no exercício de suas atribuições, o que, consequentemente, atraiu a
responsabilidade da pessoa jurídica pelos negócios celebrados por ele. Diante do exposto, a Turma
negou provimento ao recurso. Precedentes citados: REsp 40.825-MG, DJ 18/11/1996, e REsp 180.301-
SP, DJ 13/9/1999. REsp 887.277-SC, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 4/11/2010. Informativo de Jurisprudência STJ

Quando posso fazer um aditivo de contrato?

Os aditivos, como já tratamos, servem para alterar, suprimir ou adicionar uma cláusula ao contrato a qual pertencem. Em linhas gerais, estas são as três situações de uso comum. Mas, quando aparecem?

Aditivos poderão ser usados em renovações de contratos que alteram apenas a data de vigência do documento assim como, quando é necessário renegociar cláusulas pontuais entre as partes. Os envolvidos avaliam a relação contratual passada e escolhem seguir os exatos termos antes firmados ou por adaptar o contrato de acordo com as suas necessidades atuais.

Lembrando que aditivos não servem para modificar por completo uma minuta de contrato, nesse caso indicamos rescindi-lo e criar um novo documento.

Os aditamentos, também podem ser usados para adicionar produtos ou serviços em um contrato de fornecimento, em que a contratante quer apenas mais um item além do objeto previamente definido, eliminando a necessidade de firmar outro contrato do zero.

agende um teste gratuito do melhor software para contratos do mercado

Outro uso é para suprimir ou editar uma cláusula de cronograma de entregas ou pagamento, quando as datas mudaram e é necessário o registro formal.

Desde que seja da vontade de todas as partes e estas assinem o aditivo, e ele não vá contra a lei, ele será válido e poderá fazer qualquer mudança necessária no contrato prévio.

Gestão dos aditamentos de contrato

Após entender o que é um aditivo, termos um modelo e verificar situações cotidianos que cabem um aditamento ao contrato principal, fica a questão como geri-los?

A gestão de aditamentos deve considerar os termos aditivos e os contratos principais pois, não existem de forma independente, sempre referem-se a um contrato.

Na gestão de documentos físicos:

Após assinado o aditivo guarde-o junto ao contrato original e caso use uma planilha de gestão de contratos poderá registrar o novo documento na sua planilha. Assim como, criar lembretes dos novos prazos do contrato na agenda ou smartphone .

Gestão de documentos eletrônicos:

Já a GED, gestão eletrônica de documentos, é feita em um software especializado em contratos e por lá você cadastra seu aditivo relacionando-o à um contrato já existente. Também, atualiza os dados necessários no sistema como a nova data de validade do contrato e os alertas de prazo.

O aditivo pode, ainda, ser produzido no software de GED, a partir de um modelo de documento ou do zero com o auxilio da inteligência artificial jurídica para gestão de contratos, a IA escreve cláusulas por você facilitando a criação e edição de documentos.

No software de contratos, use o editor online nativo e envie para assinatura no assinador integrado ou nativo da plataforma. No Projuris Contratos temos IA jurídica, editor online em que você constrói contratos colaborativamente e assinatura digital, eletrônica ou híbrida. Todas as funcionalidades para facilitar o dia-a-dia da sua gestão de contratos.

Por fim, guarde seu aditivo de contrato, configurando notificações necessárias e palavras-chave que podem ajudar na identificação dos documentos na rotina.

Como adicionar aditivos no Projuris Contratos?

Dentro do Projuris, abra um dos seus contratos ativos e no menu à esquerda selecione a opção aditivos, ali insira um novo documento e cadastre os dados gerais clicando no botão +. Muito simples e intuitivo, e evita que seu aditivo fique perdido e torne mais difícil a busca do contrato original.

Agende uma demonstração e veja como o Projuris Contratos funciona na prática.

Conclusão

Os aditivos de contrato são ferramentas para empresas liderem com os contratos de forma eficiente e flexível, possibilitam mudanças pontuais nos documentos já assinados. Ao compreender como é a criação, utilização e gestão desses documentos, as empresas podem garantir a segurança jurídica de suas relações e otimizar seus processos contratuais.

Com um aditivo contratual, os gestores jurídicos podem adaptar seus contratos às suas necessidades em constante mudança. Usando-os corretamente, você garante que os contratos da empresa sejam instrumentos eficazes para o sucesso do negócio.

Aditivos contratuais facilitam as renovações, reajustes de valores e permitem a adaptações à mudanças na execução de projetos. Gerindo-os junto ao contrato original em um sistema de GED, a empresa têm mais segurança jurídica.

Perguntas Frequentes

O que pode ser alterado por termo aditivo?

Um termo aditivo pode alterar qualquer cláusula de um contrato original, ele irá indicar a qual contrato se refere e as cláusulas que serão alteradas e suas novas redações. Apesar de não haver contraindicação expressa na lei, indicamos que as alterações por aditivo sejam mais pontuais, quando houver a necessidade de alterar um contrato por inteiro a melhor escolha é fazer uma nova minuta.

Como fazer um aditivo no contrato?

O primeiro passo é o comum acordo entre as partes do contrato, ambas devem concordar com o aditivo se não este será nulo. Na escrita do aditivo identifique as partes, escreva as cláusulas que serão alteradas e qual a nova redação a partir do aditamento. Insira campos de assinatura e após assinado guarde-o junto ao contrato original para que não se perca, seja na gestão de documentos físicos ou eletrônicos, inserindo como anexo no sistema de contratos.

Leia também

Receba meus artigos jurídicos por email

Preencha seus dados abaixo e receba um resumo de meus artigos jurídicos 1 vez por mês em seu email

Use as estrelas para avaliar

Média 5 / 5. 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário